A fraude nigeriana, ou esquema nigeriano, é das fraudes online mais antigas. O seu nome advém do facto de que esta burla é praticada através de email que, por norma, é enviado por alguém da Nigéria. Como o assunto tem andado esquecido nos últimos tempos, venho por aqui relembrá-lo, já que a fraude continua prolífica. Aliás. o Blasting News distingue-se por promover uma utilização mais segura da internet.

Como funciona? Há duas formas primárias: primeira, a vítima recebe um email de alguém da Nigéria a pedir ajuda para a realização de uma transferência grande de dinheiro, prometendo uma recompensa monetária por essa ajuda.

Publicidade
Publicidade

Para tal, é pedido apenas que a pessoa a ser enganada envie um determinado valor para cobrir taxas bancárias. E uma vez que isso é feito, a recompensa prometida nunca chega.

Segunda forma, mais popular recentemente, é a burla através de sites de venda e compra de bens e serviços. Alguém, igualmente da Nigéria, envia um email de interesse de compra relativo a um qualquer item à venda num dos inúmeros sites do género que existem por aí. E uma vez enviado à vítima um comprovativo do banco com a transferência do dinheiro feita, a pessoa burlada procede em seguida ao envio do bem. Sendo que posteriormente o dinheiro nunca chega efectivamente a entrar na conta. Perde-se o item e o valor pedido.

Passando a um registo mais pessoal, decidi denunciar esta situação porque esta segunda forma de fraude nigeriana aconteceu-me.

Publicidade

Tenho actualmente uma câmara de filmar e 150 euros a menos do que há duas semanas atrás. Tudo aconteceu também devido ao mal do qual sofro, de confiar em demasia em pessoas alheias, mas dito isto sei existirem mais como eu. Não há tema mais actual que os riscos na utilização da internet. Para esses utilizadores, deixo o alerta: cuidado com uma tal de Kimberly Thompson, de Ibadan, estado de Oyo (Nigéria).

Passo a publicar os melhores momentos dos 79 emails trocados entre o meu gmail e kimthompsons@yahoo.ca - para que possam apreciar o desenvolvimento do esquema com rigor. "Olá. Meu nome é Kimberly. Estou interessado em comprar o item [câmara de filmar] como um presente de ano novo para meu filho. Qual é a sua condição actual e quanto você quer vender? Resposta amável e em língua inglesa, se possível, para que podemos discutir pagamento e envio".

Respondo em inglês e em seguida recebo a informação "Estou a comprar da Nigéria". Aqui entra a minha inocência, não desconfiando de nada - apesar da existência da conhecida fraude nigeriana. Eis senão quando tinha um email do Royal Bank of Canada (e pode ser o email de um banco ou então o envio de um cheque que não tem cobertura) a confirmar a transacção do dinheiro que eu pedia pela câmara e eu envio o item.

Na parte II deste texto será revelado como se deu o desfecho desta pequena infelicidade.