Uma história insólita mas verdadeira. Embora tenha o mesmo nome, esta senhora não é a líder Alemã. Mas o trocadilho não deixa de ser interessante. Trata-se de uma idosa austríaca de 70 anos, que vive em condições miseráveis há 13 anos. Fugiu do seu país natal onde esteve internada quatro meses devido a esquizofrenia, e acabou por se instalar em Portugal, onde é ajudada pelos vizinhos.

Esta é a triste realidade da grande maioria dos idosos em Portugal, que quando não têm filhos ou são abandonados, acabam sempre na solidão e na dependência da generosidade das pessoas. A história desta senhora tem tanto de mau como de bom.

Publicidade
Publicidade

O lado bom é saber que em Portugal ainda podemos contar com a solidariedade das pessoas. A solidariedade de amigos e vizinhos mostra que muitas vezes as pessoas, que realmente são solidárias, "tiram da sua boca" para ajudar os mais necessitados.

O caso desta senhora já se prolonga há algum tempo, sendo já do conhecimento das autoridades, e a verdade é que Merkel continua em Portugal dependendo da generosidade alheia. Os recursos vão faltando a quem tanto a quer ajudar, mas acredito que ela não será deixada ao abandono. As pessoas vão manter o esforço de ajudar. O facto de ter o mesmo nome da líder Alemã, faz com que ela se destaque dos outros idosos, e foi precisamente pelo nome que tem que esta notícia foi divulgada. Uma triste forma de mostrar que existe muita pobreza em Portugal, e este é um caso entre milhares.

Publicidade

Por muito que as instituições solidárias queiram ajudar, nunca poderão combater toda a pobreza e a fome existentes. Os vizinhos, amigos, familiares e pessoas solidárias são as que mais ajudam, sem publicidades ou campanhas. Ajudam com o que têm fazendo sacrifícios para ajudar quem nada tem. Os nossos governantes têm a obrigação de olhar para estes casos. Muitas das pessoas que estão em dificuldades e vivendo em pobreza extrema, são pessoas que já deram muito aos País. Possivelmente não deram coisas de valor, mas deram mais que isso, deram uma vida, a única vida que têm, e merecem o nosso respeito e os nossos cuidados por isso.