A PT tem sido notícia pelas negociações realizadas nos últimos meses, com vista à sua venda. Porém nas últimas 24 horas, uma das maiores empresas em Portugal privou milhares de portugueses de informação online. A causa foi um problema técnico local, na Covilhã. Depois de prejudicar empresas e pessoas desde sexta-feira, só agora a situação está a ser resolvida.

Este pequeno problema, que passou a ter uma grande magnitude, levanta questões importantes acerca da livre circulação de informação. Até que ponto é legítimo depender unicamente de uma empresa para dezenas de títulos informativos operarem e funcionarem regularmente em Portugal? Para além da falta de informação nas últimas 24 horas - o que por si só constitui um problema grave-, quantos milhares de euros foram perdidos pelos órgãos de comunicação social pertencentes ao grupo "Cofina" e "Impresa"? Um dos perigos dos monopólios é este mesmo, para não referir a homogeneidade de conteúdos que se verifica na informação em Portugal.

Publicidade
Publicidade

"Tivemos um problema técnico que prejudicou um dos nossos sistemas de alojamento na Covilhã, que pertence à PT. Este incidente levou a que vários websites informativos tenham estado indisponíveis nas últimas horas", justificou em comunicado a PT aos órgãos de comunicação prejudicados directamente pelo apagão. Títulos altamente credíveis e que chegam a milhões de portugueses, habitualmente, "não existiram" durante este sábado, tais como: SIC, SIC Noticias, Visão, Sábado, Correio da Manhã, Record, Jornal de Noticias e Jornal I - empresas pertencentes aos grupos "Cofina" e "Impresa".

A situação já estará a ser regularizada, pelo que neste momento a maior parte dos órgãos de comunicação prejudicados já informaram, através das suas redes sociais, a razão pelo seu "apagão", durante mais de 24 horas.

Publicidade

Apesar do pedido de desculpas e de um erro legítimo, este incidente mostrou o problema dos grandes grupos da imprensa portuguesa, que detêm múltiplos títulos. Se algo corre mal, todos serão prejudicados, privando a população de um direito fundamental da nossa democracia, o direito à informação livre e actualizada.