Depois de tanta polémica e casos à volta do Primeiro-ministro, foi lançada uma petição para #Cavaco Silva demitir Passos Coelho e atualmente já existe um número de assinaturas suficiente para que o assunto seja discutido em plenário. Esta é uma petição pública eletrónica, pedindo ao Presidente da República para demitir o Governo. Depois de todos as notícias sobre as execuções fiscais e dívidas e sobre a carreira contributiva do primeiro-ministro, foi feita a petição que já recolheu mais de 4.200 assinaturas em 48 horas.

Era previsível; depois de tanto imoralismo e de tanta controvérsia, aconteceu o inevitável. Não é possível que o chefe máximo do Governo não tenha as suas contas e obrigações cumpridas; e inaceitável que não tenha conhecimento das leis.

Publicidade
Publicidade

Esta situação pode ser a ruína do Governo. Os cidadãos já acusam Passos Coelho de ser intocável. O Presidente da República já está a ser pressionado a desempenhar o seu dever, que é cumprir a Constituição, aplicando os direitos de igualdade entre os cidadãos. O autor da petição é militante do Bloco de Esquerda, mas já afirmou que o fez a título pessoal e espera obter o máximo de assinaturas possível; disse que já deu conhecimento da petição ao Presidente da Republica via correio eletrónico.

É incrível toda esta polémica em volta do Primeiro-ministro, que se refugiou em desculpas; apesar de emitir leis, diz desconhecê-las! Por outro lado, é inaceitável e frustrante que qualquer outro cidadão, numa situação em que as dívidas são de alguns cêntimos, tenha logo uma penhora de vencimento.

Portugal está realmente a ser governado por um Primeiro-ministro com problemas fiscais, que espelha e muito toda uma sociedade.

Publicidade

Agora a pressão é exercida sobre o Presidente da República. De acordo com a legislação, as petições subscritas por mil cidadãos têm a obrigatoriedade de serem publicadas no Diário da Assembleia. Neste caso particular, já foram ultrapassadas as 4000 subscrições, que é o número que dá direito a que possa ser apreciada e analisada em plenário da Assembleia da República. Embora a petição tenha sido dirigida ao Presidente da República, serão as comissões parlamentares competentes a analisarem os documentos e a elaborarem um relatório que deverá ter propostas e medidas em 60 dias.

Será que só #Pedro Passos Coelho é intocável? Quantos mais nomes da classe política têm casos semelhantes? Afinal quem paga tudo isto?