E depois da primeira semana em viagem no "comboio fantasma" seguimos caminho com nomes bem sonantes. Os Franz Ferdinand são, a meu ver, uma das bandas mais consistentes do indie rock da década dos "00". Irónicos, surrealistas e, acima de tudo, muito divertidos. Uns Talking Heads do século XXI, embora a banda de Byrne seja mais eclética. De qualquer forma, o espirito inovador está lá.

Voltando ao colectivo de Alex Kapranos, basta pensar em temas como "No You Girls", "Do You Want To", "Michael", ou o mais recente "Bullet", do ainda relativamente fresco registo, "Right thoughts, Right Words, Right Action" para se ficar contagiado.

Publicidade
Publicidade

E estes rapazes não conseguem parar de surpreender. No festival Super Bock Super Rock, que este ano tem encontro marcado no Parque das Nações, os escoceses vão inovar ainda mais. É que os Franz Ferdinand vão partilhar o palco com os veteranos Sparks. Um concerto certamente inesquecível, pois os Sparks apresentam uma sonoridade muito particular. Resta aguardar por novos desenvolvimentos.

E porque as boas notícias não acabam por aqui, os icónicos Blur têm lugar cativo também no festival Super Bock Super Rock, que este ano decididamente promete. Na bagagem levam a apresentação do seu novo álbum de estúdio (o primeiro de Damon Albarn e companhia em 12 anos), "The Magic Whip". Para quem é fã da britpop da década de 90 e se divertiu bastante com a batida de "Girls & Boys" ou "Coffee and TV", aqui está mais um concerto imperdível.

Publicidade

Quem também preparou recentemente uma surpresa para os fãs foi o icónico e eterno "Smith", Johnny Marr . O músico preparou uma cover dos Depeche Mode . E logo o grande e portentoso tema "I Feel You", do álbum, "Songs of Faith and Devotion". Não desanima, mas não suplanta , a meu ver, o original.

Quanto ao baú sonoro, e pensando nos festivais de Verão, mais uma vez destaco os Counting Crows no NOS Alive. Um concerto onde o clássico tema "Mr. Jones" não vai faltar de certeza. Uma última referência para o regresso dos Muse. O grupo assumiu numa entrevista recente, citada pela Rolling Stone Brasil, que regressava agora ao "básico". O tema "Psycho" confirma esta afirmação.

Pensamento da semana: "Não há fúria suficiente na #Música, hoje em dia". Roger Daltrey (The Who), The Standard