Quem nunca acordou a sentir-se infeliz? Infeliz com a vida, infeliz com as escolhas que fez, arrependido das que não teve coragem fazer, da falta de pêlo na venta para mandar passear meio mundo... E finalmente ser e fazer tudo aquilo que sempre desejou. Digam-me, quem nunca se sentiu assim?

Muitos dirão que isto é conversa da treta, daquelas conversas filosóficas sobre o sentido da vida, da busca dos nossos sonhos, da procura da derradeira felicidade e que nunca dão em absolutamente nada... porque no dia seguinte continuamos no mesmo compasso de sempre que é, geralmente, um compasso de espera... tic-tac... tic-tac!

A verdade é que em tempos de crise, em tempos em que somos obrigados a sair "out-of-the-box", em tempos em que enviamos CV´s que foram elaborados com o maior dos cuidados e enviados com um clique cheio de esperança e carregado de orações, são estes tempos que pedem soluções criativas, drásticas e nos obrigam a sermos rebeldes e, finalmente enfrentar a vida com muito pêlo na venta.

Publicidade
Publicidade

Desempregados, empregados, empreendedores, jovens sonhadores... todos têm em comum uma coisa: um sonho. E esse, esse é aquele que comanda a vida!

Um sonho pelo qual vale sempre a pena lutar e acreditar que com uma atitude empreendedora consegue vingar. São cada vez mais, os casos de desempregados que optaram por abrir o seu próprio negócio. Se foi fácil? Não deve ter sido com toda a certeza... Se tiveram dúvidas e medo de se colocarem numa situação ainda mais difícil? Claro que sim... mas tiveram garra e descolaram!

Não interessa se quer tornar a sua paixão pela culinária num negócio e vender os seus fantásticos bolos caseiros. O que interessa é o que o move! E aquele bichinho carpinteiro, aquele bichinho do desassossego que nos rói por dentro e faz soar o alarme de que algo tem que ser apimentado, é esse bichinho que leva algumas pessoas a abandonar cargos minimamente confortáveis e outras regalias, para correr atrás daquilo que realmente importa...

Publicidade

os seus sonhos.

O objectivo não é enriquecer, porque isso já são histórias da carochinha. O objectivo é ser... ser finalmente feliz e concretizar "O sonho da minha vida". Seja abrir uma roulotte para virar hamburgers, um Hostel para receber surfistas, ou vender bolos caseiros aos restaurantes do Bairro, o importante é fazer, ser e viver.

E claro... a questão do dinheiro, do financiamento, essa grande dor de cabeça. Pois aqui não há milagres... se os apoios escasseiam temos que ser verdadeiros malabaristas, criativos e inventores.

Mas também ninguém disse que o caminho ia ser fácil, pois não?