Afinal em que país se vive e por quem estamos a ser governados? Pois bem: anteriormente o nosso (des)governo aconselhava e apoiava à emigração. Conselho esse que foi seguido por milhares de jovens que deixaram para trás as suas casas, famílias, amigos e sonhos que tinham sonhado até então para poderem lutar por um lugar no mercado de trabalho, um lugar digno e para o qual tanto se tinham esforçado. Infelizmente, e após anos de dedicação e gastos para se poderem formar, quando finalmente isso acontece, acabam por ser "educadamente expulsos" de suas casas para irem batalhar num novo campo, no desconhecido. Lágrimas foram deixadas nos aeroportos portugueses com o objectivo de uma vida melhor e com objectivo de realizar sonhos que o país materno lhes negou.

Publicidade
Publicidade

Muitas cartas foram partilhadas nas redes socias, cartas que mostravam o sentimento de tristeza e revolta pelo país que os viu nascer os negar. Quantos de nós não vimos amigos e colegas fazerem as malas com a tristeza de quem agora parte para o desconhecido?!

Lembremo-nos que as taxas de desemprego subiam de ano para ano sem perspectivas de descer, os salários eram e continuam a ser miseráveis num país que se diz ser civilizado e que está incluído na União Europeia; as horas de trabalho eram das mais elevadas e as regalias das mais baixas. Sem falar nos recibos verdes sem quaisquer garantias. Entre 2010 e 2013 quase 175 mil portugueses saíram de Portugal. São estas contas que não enganam ninguém nem deixavam sorrisos nos lábios de nenhum jovem que dizia adeus à sua família no aeroporto.

Publicidade

Passado tudo isto, eis que o nosso Governo nos surpreende agora em 2015 com mais uma brilhante ideia e mais um programa de combate ao Desemprego. Desta vez dá pelo nome de Programa VEM (Valorização do Empreendedorismo Emigrante), um programa que visa incentivar os emigrantes que pretendam abrir um negócio empreendedor em Portugal. Sendo que, no início, o Governo apenas apoiará cerca de 50 projectos no valor de 10 a 20 mil euros cada. Fazendo as contas, que valores são estes e que medida absurda vem a ser esta? Estamos a ser governados ou a jogar monopólio?