Júlio César é actualmente um dos jogadores mais acarinhados e aclamados pelos adeptos benfiquistas. Não só pelas suas defesas espectaculares e brilhantes, mas também pela segurança que trouxe à equipa num momento em que os adeptos já não confiavam nas capacidades do outro guarda-redes, Artur. É um guarda-redes completo. Forte nas saídas, a defender remates de longa e curta distância e entre os postes é seguríssimo. Tudo isto passa para a defesa, que estando confiante no seu guarda-redes, joga de forma mais tranquila e segura e, por consequência, joga bem melhor, o que leva o #Benfica a sofrer menos.

A vida de Júlio não esteve nada fácil antes de assinar pelo Benfica.

Publicidade
Publicidade

Aquele que até à data era um dos melhores guarda-redes da Europa e do mundo (tendo mesmo conquistado uma Liga dos Campeões com o Inter de Milão de José Mourinho) vivia tempos difíceis. O Brasil tinha acabado de ser afastado, em casa, no Mundial de 2014 pela Alemanha com uns expressivos 7-1, e muitas das culpas acabaram por cair injustamente no guarda-redes brasileiro, que sempre teve uma relação amor-ódio com o público do seu país.

"O Imperador"

Ora, Júlio não ganhou esta alcunha por acaso. Nos seus tempos de jogador do Inter de Milão era um dos três melhores guarda-redes do mundo e titular indiscutível na equipa de José Mourinho e também na selecção "canarinha". Com a transferência para o Benfica, em 2014, o guarda-redes reencontrou a sua alegria, vontade de jogar e sobretudo voltou à forma ideal e às defesas incríveis a que tanto nos habitou.

Publicidade

Rapidamente fez Artur "saltar" para o banco e passar a ser segunda opção.

Com Júlio o Benfica esteve diversos jogos consecutivos sem perder e sem sofrer golos. Nos 24 jogos disputados com a camisola encarnada, sofreu apenas 15 golos e esteve 5 jogos consecutivos sem sofrer um único golo. Tem uma percentagem de vitórias de cerca de 79% e a última derrota foi há mais de um mês. A diferença de golos sofridos pelo Benfica com Artur é evidente: com apenas menos 4 jogos sofreu quase tantos golos como Júlio César.

Os adeptos benfiquistas só podem estar contentes e agradecer por terem encontrado um substituto à altura de Jan Oblak. A baliza da equipa encarnada está muito bem entregue e segura com "O Imperador". Todo o carinho que tem recebido dos adeptos ajuda claramente a este "regresso" do guarda-redes brasileiro ao melhor #Futebol europeu. Júlio, tal como Jonas, conseguiu reencontrar no Benfica a sua melhor forma e mostrar que de velho e acabado, não tem nada.