Kristen Stewart tem 25 anos acabados de fazer, mas a sua carreira já conta com mais de 10 anos. Era ainda uma menina, quando contracenou com Jodie Foster em Sala de Pânico, provavelmente o primeiro trabalho da actriz de que a maioria das pessoas se recordará. Daí até ao primeiro filme da saga Crepúsculo (Twilight no original), fez muitos outros papéis, mas o de Bella Swan é o mais icónico, num sentido totalmente negativo da palavra. Bella Swan é uma adolescente insegura e apaixonada, uma personagem desinteressante, fiel à descrita nos livros. No entanto, Kristen já provou o seu valor este ano, em Clouds of Sils Maria, onde trabalha lado a lado com Juliette Binoche.

É fácil acusar Kristen Stewart de ser má actriz. O papel de Bella pode ter sido a sua rampa de lançamento para a fama a nível mundial, mas é provavelmente a pior personagem de todo o seu currículo, aquela que lhe será sempre associada. No entanto, a personagem, apesar de má, é retratada da forma como Stephenie Meyer a descreveu nos quatros livros que deram origem a cinco filmes - o último volume, Amanhecer, foi dividido em duas partes na adaptação ao #Cinema. Assim sendo, Kristen fez aquilo que o papel pedia e, claro, uma má personagem e uma má história são difíceis de contornar.

Kristen pode não ser a actriz mais expressiva deste mundo. Claro que não é, mas está longe de ser uma actriz tão má como muitos fazem crer. Esqueçam A Branca de Neve e o Caçador, que também não é um grande exemplo de mestria a nível de representação, mas ao lado de Charlize Theron é quase impossível uma jovem actriz sobressair. Apesar dos seus 25 anos - completados ontem -, Kristen quase podia passar por uma adolescente. Tem um jeito envergonhado junto das câmaras quando dá entrevistas para a televisão e mostra que, mesmo com quase 15 anos de carreira, não está habituada às luzes da ribalta. Parece odiar aquelas festas onde tem de usar vestidos e desfilar na passadeira vermelha. Ela é o tipo de miúda que preferia ficar em casa, com o pijama enfiado, a comer porcarias enquanto vê televisão.

Poderá ver-se presa ao papel de Bella durante muitos anos, se calhar muitos irão encará-la sempre como essa personagem, mas os últimos tempos até têm sido bons para Kristen. Entrou em O Meu Nome é Alice, que valeu a Julianne Moore o Óscar de Melhor Actriz este ano, interpretando a filha mais nova de uma mulher diagnosticada com Alzheimer. Já em Camp X-Ray dá vida a uma soldado que trabalha na prisão de Guantánamo e estabelece uma espécie de amizade com um dos prisioneiros, ao mesmo tempo que se apercebe que a forma como aqueles homens são tratados está longe de ser humana.

No entanto, o melhor ficou-lhe reservado em Clouds of Sils Maria. O filme estreou em Portugal no mês passado e centra-se em Maria - personagem de Juliette Binoche -, uma actriz com cerca de 40 anos que é convidada a entrar na mesma peça que lançou a sua carreira, há 20 anos. A personagem de Kristen é Valentina, a assistente de Maria e a dinâmica das duas é muito boa, com diálogos ainda melhores. É um filme que merece ser visto e que mostra uma Kristen com paixão, que sabe agarrar perfeitamente um papel. Aliás, esta interpretação valeu-lhe um César de Melhor Actriz Secundária, um equivalente francês aos Óscares.

Isto só mostra que, com as escolhas de papéis certas, Kristen se pode demarcar da imagem de má actriz, o potencial está lá. Para o próximo ano, entrará num filme de Woody Allen, com Bruce Willis, mas há mais projectos confirmados na sua agenda. #Famosos