O serviço de transporte Uber foi ontem, 28 de abril, proibido, pelo Tribunal de Lisboa, de continuar a sua atividade. O serviço esteve indisponível por breves momentos mas, pelos vistos, a proibição do Tribunal de Lisboa não ficou em vigor de imediato.

Sou um fã do serviço, admito, e explico porquê. Conheci a Uber algures em setembro de 2014, tinha o serviço chegado há poucos meses. Na altura apenas havia UberBlack (considerado o serviço de luxo porque funciona com carros topo de gama) e eu fiquei, de imediato, fascinado. Adoro a facilidade que é ter uma aplicação no smartphone e chamar um "motorista", carregando poucas vezes no ecrã. Usar um UberBlack nunca fica menos do que 8€. Mas foi em janeiro que chegou uma maravilha chamada UberX. Esta é a chamada vertente low-cost. O serviço tem um custo mínimo de 2,50€ e opera com carros como Volkswagen Golf, Opel Astra ou Seat Leon. E porque é que a entrada do UberX em Portugal foi uma maravilha? Porque é bem mais barato que o táxi. A isto acresce o que se aplica a toda a empresa: é mais confortável e é bastante fácil de pedir. Depois de usar um uber, não vai pagar com dinheiro físico. Depois de usado o serviço, o valor será descontado diretamente da conta bancária - para se registar tem de deixar os dados do seu cartão de multibanco/crédito (pode usar o serviço MBNet).

E então os táxis? Não tinha nada contra a não ser o preço, pois sempre achei um serviço caro. Mas, fora isso, tive más experiências. Em setembro e outubro tive de fazer viagens, depois da 1 da manhã, entre Lisboa e Carnaxide. Claro, tive sempre de pedir táxi. Primeiro, o preço nunca era estável. Ora pagava 14€ ora pagava 17€. Mesmo indo por caminhos iguais (pelo menos, achava eu). E, para acrescentar ao preço elevado, os carros nem sequer são confortáveis. Quanto a "chamar um táxi", isso não era um problema, pois ia até uma praça de táxis (claro, prefiro a facilidade da Uber). Mas há pior. Numa das vezes, um taxista decidiu "roubar-me" 10€, tudo à minha frente. Insisti, mas o Sr. Taxista disse que apenas lhe tinha dado 10€ (quando dei 20€).

Mas o problema dos táxis não se fica por aqui. Adoram falar e eu nem sempre estou com disposição para tal. Já com os motoristas Uber, geralmente, sou eu a iniciar conversa. Outro problema é eu não gostar de ouvir Rádio Amália ou os fóruns desportivos; mas, se andar de táxi, sou praticamente obrigado a isso. Nos Ubers, ouve-se o som ligeiro da Smooth FM ou, se estiver a usar o UberBlack, conecta a sua conta do Spotify. E a ANTRAL sabe disto tudo. Por isso é que fez tudo para acabar com a Uber em Portugal. Como nunca tiveram concorrência, nunca se preocuparam. O problema é que há muitos jovens que preferem a facilidade e comodidade da Uber. Eu prefiro. E só espero que a Uber continue a atuar em Portugal. Espero eu e as quase 7 mil pessoas que já fizeram like na página de apoio "Queremos a Uber em Portugal".

Nota: Um bug (falha) afetou a minha aplicação e, por isso, não consegui usar o serviço durante mais de 24h. A app pedia um código de verificação que, apesar de pedido, nunca era recebido via SMS. Contudo, a aplicação já está a funcionar e, por enquanto, continua a ser possível chamar um Uber X, se estiver em Lisboa ou no Porto, ou um Uber Black, se apenas estiver em Lisboa. #Negócios