O #Benfica está perto de conquistar o bicampeonato 30 anos depois. É já este sábado, dia 2, diante do Gil Vicente, que o Benfica terá, porventura, o jogo mais difícil da época. Um deslize em Barcelos poderá ter um efeito devastador nas aspirações encarnadas, porque só a vitória interessa para depois resolver a questão do título, em casa, frente ao Penafiel.

Caso haja festa do 34, a questão central será aquela que muitos benfiquistas já terão na cabeça: a renovação do plantel para a época seguinte. Jorge Jesus sabe que jogadores que ganham títulos são os alvos mais apetecidos dos "tubarões" europeus, e o risco de ser novamente campeão abre mais esse problema.

Publicidade
Publicidade

Jogadores com mercado estarão na iminência de sair, com Gaitán a ser um dos nomes mais falados. Dada a conjuntura do #Futebol português, equilibrar as contas do clube é a prioridade de Luís Filipe Vieira. Vender vai ser obrigatório, devido à urgência de entrada de mais milhões nos cofres da Luz. A estratégia para a próxima época pode muito bem ser a mesma desta: vender quatro ou cinco ativos mais influentes da equipa e reforçar com qualidade semelhante.

Mas o futebol não é uma ciência exata. E, caso o Benfica falhe a conquista do bi, seria (mais) uma crueldade para Jorge Jesus, depois de liderar a liga praticamente desde o começo, haverá novamente outro forte investimento como aconteceu em 2013? Será que LFV vai dar a Jesus outra equipa para "ganhar a Liga dos Campeões"? E Jesus fica? Sai? Perdoaria o presidente encarnado outro fracasso do técnico nascido na Amadora nos momentos decisivos? Estas serão, com toda a certeza, as dúvidas maiores para o Benfica versão 2015-2016.

Publicidade

Mais a norte, o céu não está tão azul como se esperava no início da época. Nuvens cinzentas pairam sobre a cidade do Porto, com epicentro no Estádio do Dragão. Vencer os quatro jogos que restam passa agora a ser uma obrigação para o F.C. Porto, mas sempre à espreita de um deslize do eterno rival. Porque, caso contrário, o esforço irá ser inglório.

O treinador Julen Lopetegui foi aposta de Pinto da Costa para a presente época e perder este campeonato para o Benfica seria um fracasso enorme após investimento brutal em jogadores, a maioria escolhidos pelo técnico espanhol. É que nem campeonato, nem Taça de Portugal, nada de nada. Nem a boa prestação na Liga dos Campeões (quartos-de-final) deixará um sorriso a qualquer adepto portista. E o pior é que poderá ser o segundo ano consecutivo de "seca", algo raro no clube nos últimos anos. Adivinha-se uma curta estadia de Lopetegui no reino do dragão.

Pinto da Costa irá recandidatar-se à presidência, na proximidade de o Benfica conquistar mais um título, na esperança de na próxima temporada voltar a colocar os dragões no lugar onde mais vezes têm estado desde que tomou posse em 1982.

Publicidade

Mas e se o Benfica conquistar o tricampeonato? Irá aguentar mais tempo no poder? Tenho as minhas dúvidas, até porque seria a certeza absoluta da hegemonia benfiquista, há muito reclamada pelo presidente encarnado após conquistas de campeonatos anteriores. Logo, se este cenário se verificar, 2016 poderá ser o último ano do presidente mais titulado do futebol mundial, quando o mandato é até 2020. E, a acontecer, ficará uma única pergunta com uma reposta difícil de encontrar: que FC Porto vamos ter após Pinto da Costa? #F.C.Porto