O campeonato caminha a passos largos para o seu final e, apesar de ainda existirem todas as possibilidades matemáticas para o FC Porto se sagrar campeão, poucos acreditam que o #Benfica perderá a oportunidade de festejar o bi-campeonato. Será o culminar, em grande estilo, da passagem de Jorge Jesus pelo clube da águia. Culminar, sim, porque Jesus vai mesmo sair do Benfica.

É verdade que ninguém confirmou ainda o fim da relação entre Benfica e Jorge Jesus, mas a ausência de comentários contrários são a principal indicação de que a saída é um dado adquirido. Nem direcção, nem o treinador refutaram algumas notícias que têm colocado Jesus noutros campeonatos para a época 2015/16, o que normalmente é um indicador de que a verdade já veio à tona.

Publicidade
Publicidade

Trata-se, aliás, de um cenário mais do que previsível. JJ está há largos anos na Luz, conquistou títulos, perdeu outros, recuperou algum prestígio internacional para o clube, e parece ter esgotado a sua missão no Benfica. Fundamentalmente, retirou a hegemonia ao seu rival nortenho, o principal desejo de qualquer benfiquista. Perante o desinvestimento da direcção no plantel, Jesus percebe que o Benfica nunca estará em condições de lutar com os grandes europeus, pelo que uma evolução na carreira apenas será possível com a saída para outra liga.

Existem algumas possibilidades, tendo mesmo sido noticiados eventuais ingressos do técnico em clubes de renome, como Mancheter City, PSG, Dortmund ou até Barcelona. Jesus tem mercado e não deverá sentir dificuldades em encontrar um novo e melhor desafio.

Publicidade

Saindo Jesus, quem o substituirá no Benfica? Candidatos estrangeiros, há vários, mas em Portugal, quem poderá ser escolhido por Vieira? Não são muitos os treinadores portugueses a encaixar no perfil. À cabeça, saltam dois nomes: Rui Vitória, técnico do Guimarães, e o ex-seleccionador nacional Paulo Bento. Em comum têm a capacidade de retirar valor das camadas jovens e o carácter disciplinador. Ambos cumprem outros requisitos, experiência e "aclubismo". Com perfil idêntico, aparecem Carlos Queiroz e Jesualdo Ferreira, mas estão numa fase descendente da carreira, o que dificilmente faz deles verdadeiros candidatos.

Contrariando um pouco o habitual nas escolhas do presidente benfiquista, surgem dois nomes mais arriscados: Sérgio Conceição e Petit. O técnico do Braga tem alguns anos de experiência, com passagens também por Académica e Olhanense. No entanto, não obstante o reconhecido bom trabalho desenvolvido, a sua pública costela portista pode ser um grande entrave. Já em relação a Petit, mesmo que assumidamente boavisteiro, tem um passado muito forte na Luz, sendo muito querido pelos adeptos.

Publicidade

O treinador do Boavista é a grande revelação da época, mas contra si tem a (falta de) experiência, algo que Luís Filipe Vieira normalmente preza.

A especulação, como é habitual nestes casos, vai reinar nos próximos tempos. Não é expectável que a direcção do clube encarnado assuma algo antes do final da temporada, pelo que a novela está garantida por mais umas boas semanas. #Futebol