Foi anunciado, na semana passada, o relatório do Tribunal Constitucional (TC) relativo às auditorias que realizou às contas de 2010 de dezasseis partidos políticos nacionais, entre os quais os partidos com representação parlamentar. O TC encontrou diversas irregularidades nas contas de treze dos dezasseis partidos auditados. Nenhum dos principais partidos do espectro político português escapou à repreensão dos juízes do Palácio Ratton. Uma das irregularidades mais relatada foi a inscrição de receitas e despesas dos grupos parlamentares nas contas dos partidos. Também se encontram muito referenciadas as faltas de suporte documental de algumas receitas e as subavaliações de passivos através da omissão de coimas aplicadas pelo próprio TC.

Publicidade
Publicidade

Contudo, estas irregularidades são já recorrentes. Em Abril de 2014, tive oportunidade de relatar, noutra plataforma, situação semelhante, mas referente às contas do ano de 2009. Em 2011, o mesmo TC fez os mesmos reparos, referindo-se aos exercícios de 2008. É extremamente indesejável e preocupante ver em constante incumprimento legal quem nos quer vender uma imagem de rigor, de compromisso, de capacidade de gestão e quem nos exige o cumprimento de obrigações.

As legalidades e transparência do financiamento partidário são extremamente importantes, tendo em conta que apenas os partidos políticos podem aspirar a exercer o poder legislativo. A preocupação é tanto maior ao verificarmos que as multas aplicadas após a divulgação dos relatórios não se mostram dissuasoras destas ilicitudes.

Publicidade

O que quer dizer que, actualmente e neste caso em particular, o crime compensa. Ora, quando uma punição não se mostra eficaz, é necessário encontrar uma que o seja. Assim, e tal como fez o Estado na contratação pública, ao permitir apenas às empresas com situações regularizadas perante a Fazenda Pública e a Segurança Social o acesso a concursos públicos de fornecimento de bens e serviços, deveria ser permitida a apresentação às #Eleições apenas aos partidos políticos com as contas validadas pelo TC, de acordo com a lei.

Para que esta medida fosse eficaz, seria também necessário alterar o prazo que o TC tem para emitir os pareceres referidos. Se considerarmos que os partidos precisam de cinco meses para consolidar as suas contas e entregá-las para análise, a auditoria foi concluída quatro anos depois. É picaramente demasiado tempo. É tão excessivo quanto um período de quatro anos entre um exame médico e a divulgação do respectivo diagnóstico a um paciente. Uma auditoria destas não pode demorar mais do que três ou quatro meses. Uma auditoria destas tem que ser semelhante à auditoria de uma grande empresa.

Estamos em ano de eleições, praticamente já em período de campanha eleitoral. É tempo de exigirmos àqueles que pretendem representar-nos o respeito a que temos direito. É tempo de obrigarmos a ser esquecida a expressão "faz o que eu digo, não faças o que eu faço". #Governo #Justiça