Quando se fala em apontar as raízes do heavy metal, existem três nomes consensuais: Deep Purple, Led Zeppelin e Black Sabbath. Se os primeiros influenciaram toda uma geração de músicos que juntou influências neo-classicas ao seu som, os segundos mostraram como o velho rock'n'roll e blues podem evoluir e como as raízes folk podem ser incorporadas na #Música pesada. Quanto a Black Sabbath é sem dúvida a banda que melhor moldou aquilo que se entende como heavy metal e doom metal. Tal como tinha acontecido com o In Rock dos Deep Purple, também Paranoid ficou fora do Top 10 dos álbuns clássicos de 1970, por um mero erro de cálculo, mas há males que vêm por bem, e assim é lhe dada a justiça devida e o tempo de antena merecido.

Paranoid é o segundo álbum da banda de Birmingham, lançado apenas alguns meses após a sua estreia auto-intitulada - essa curta distância entre os dois lançamentos deve-se ao facto da banda (e a editora) querer aproveitar o sucesso do trabalho anterior nos tops norte-americanos. A forma como a faixa título foi composta revela um pouco a pressa a banda tinha em lançar algo. Não tendo músicas suficientes, Tony Iommi, guitarrista, pegou num riff de guitarra como base para a canção, tendo 5 minutos depois a parte instrumental estabelecida; 25 minutos depois, as letras e, num total de duas horas, a música estava finalizada e gravada. Este single foi o único na carreira dos Black Sabbath a ficar no Top 10 britânico, atingindo a quarta posição.

Outra das curiosidades acerca deste álbum é o seu nome. A banda tinha a intenção de o chamar War Pigs, a primeira faixa, uma poderosa crítica aos estados e àqueles que promovem a guerra. Segundo Geezer Butler, o baixista, em declarações registadas no programa Classic Albums da VH1, a ideia era escrever uma música sobre a versão satânica do Natal, Walpurgis (sendo esse o título da música inicialmente), com o intuito de demonstrar que o Satanás não é uma entidade espiritual e sim aqueles que fomentam e vivem da guerra. Os governantes de bancos e do mundo que tentam que as classes trabalhadoras combatam as suas guerras. A editora não gostou muito da ideia, acreditando que seria demasiado satânico. Butler mudou então o título para War Pigs, mas mesmo assim, a editora receava que a música, uma forte declaração anti-guerra e com claras referências à guerra do Vietname seria um título demasiado polémico. Além do mais, juntou-se o facto do single Paranoid ter feito algum sucesso e o álbum com o mesmo nome iria capitalizar dividendos de alguma forma.



O imaginário apocalíptico de músicas como War Pigs, Iron Man, Electric Funeral ou até mesmo a crítica anti-drogas pesadas Hand Of Doom contrastava totalmente com a onda "flower power" vigente na altura e que em parte os Led Zeppelin se inseriam, grupo de quem os Black Sabbath eram absolutos fãs. Aliás, o tema Paranoid teve como inspiração maior o tema Communication Breakdown, algo que até Geezer Butler julgava que todos notariam imediatamente.



Paranoid é um marco do heavy metal, provavelmente o primeiro álbum que estabeleceu regras do estilo que ainda hoje em dia estão em vigor. Os riffs de War Pigs, "Iron Man", "Electric Funeral" e "Hand Of Doom" são dos mais clássicos que pode haver, que influenciaram bandas como Metallica, Nirvana, Slayer, Megadeth, entre muitos outros. Incontornável e obrigatório, sem dúvida.