O meu mundo é diferente do teu. Talvez penses que sou um alienado. Talvez tenhas razão. Ainda assim, quero que consideres estas palavras: quando olhas o céu azul, numa bonita manhã primaveril, podes encontrar a luz ou a escuridão. Isso só depende de ti. Obedece singular e puramente à maneira como vês o teu mundo. Quando percorro a estrada da vida, observo-a como quero. E a cada recanto me delicio, pelos caminhos do meu mundo…

A zona do Chiado é uma das mais visitadas de Lisboa, por múltiplas razões. O emblemático café “A Brasileira”, onde me encontro confortavelmente instalado, é uma das causas prováveis. É impossível dissociar a presença de espírito do nosso finado Fernando Pessoa.

Publicidade
Publicidade

A estátua do poeta é motivo de peregrinação. Centenas de pessoas passam, param e registam o momento através de fotografia.

Enquanto vos escrevo estas palavras, centenas de imagens são registadas pela lente de uma câmara, um jovem negro, munido de um traje peculiar, dança em estilo robótico, e uma rapariga, cujos óculos me recordam o saudoso John Lennon, vai tocando guitarra e cantando com uma liberdade de pensamento desmedida. E fá-lo bem, diga-se de passagem.

A diversidade cultural que presencio é indescritível e as vibrações positivas dominam o local. A imagem do poeta e dramaturgo António Ribeiro, mais conhecido por “Chiado”, vai olhando as almas passageiras e sorrindo, escarnecendo, nas palavras do saudoso e estimado professor José Hermano Saraiva, por lhe terem erguido uma estátua com tal pompa e circunstância, enquanto “instalaram” Pessoa junto ao mais comum dos mortais.

Publicidade

Uma homenagem com menos reverência (será?) mas muito mais significado. Quantas vezes se sentou Fernando Pessoa neste local, procurando inspiração para a genialidade que hoje lhe reconhecemos?

Quanto mais tempo aqui permaneço, mais me sinto encantado com a envolvência do local. Divagar por ruas e vielas já faz parte do protocolo, sempre que visito a capital. A zona do Chiado marcou-me pela positiva no primeiro instante. É, por isso, um momento digno de registo através de palavras e imagens. Um momento a repetir. Até breve, Chiado. Voltarei sempre que te cruzares comigo, pelos caminhos do meu mundo! #Literatura #Viagens