O ano de 2016 ainda não começou mas já dá que falar. Sei que já debati este assunto aqui, mas os últimos dados fizeram-me pensar muito sobre o assunto de #Concertos em Portugal. Sabemos que a guerra Rock in Rio / Everything is New está mais forte que nunca (e já lá vamos), mas os últimos dados fazem com que pensemos de uma forma diferente. A verdade é que os festivais são reis e rainhas do país no que toca a #Música e, sempre que algum artista relevante atua no nosso país, normalmente opta-se por incluí-lo num dos mais de cem eventos de música. Porém, 2016 será diferente. Juntos, Adele, Justin Bieber e AC/DC venderam mais de 80 mil bilhetes em poucas horas. Afinal, os portugueses ainda gostam de ver concertos a solo.

Guerra RiR/EiN

A confirmação de uma série de concertos em nome próprio em solo português fez-me questionar se o mercado era grande o suficiente para tantos concertos. É. Apesar do valor elevado (o normal, mas elevado em comparação com os praticados pelos festivais), os portugueses ainda gostam das duas horas de música de um artista que gostam, acabando por colocar de parte a animação característica dos vários festivais. Mas vamos a números. Em apenas um dia, Adele fez esgotar os dois concertos no MEO Arena, perfazendo um total de 40 mil bilhetes vendidos. Justin Bieber, à data de publicação deste artigo, já tinha feito vender cerca de 17 mil ingressos; já os AC/DC venderam cerca de 30 mil bilhetes em 7 horas, num total de 60 mil lugares disponíveis.

Está na altura de voltar a analisar a guerra. Olhemos, então, para o calendário das festividades. AdeleAC/DC têm, ambos, concertos marcados para maio. Olhando para o normal cartaz tão eclético do Rock in Rio-Lisboa, percebe-se logo que estes dois artistas iriam encaixar perfeitamente no único evento de grande dimensão que se realiza em maio. O que fez aqui a Everything is New? Anunciou dois grandes concertos (três, contando com os dois concertos esgotados dos Muse), tirando um potencial público do RiR. Já a venda de bilhetes para o concerto de Justin Bieber fez com que o dinheiro que seria gasto num dos dias para aceder à Cidade do Rock fosse escoado para o concerto de novembro.

Aos olhos normais, pode parecer tudo muito inocente, mas não é. Normalmente, um artista é anunciado com tanta antecedência? Não. Colocar os bilhetes à venda em dezembro, altura do Natal, foi a melhor forma que a EiN teve de roubar público ao RiR. Até ao momento, o evento do Parque da Bela Vista tem apenas três nomes anunciados: Queen + Adam Lambert, Hollywood Vampires e Maroon 5.

Agora, qual será a resposta do RiR? Que grandes nomes trará que faça esgotar pelo menos um dia? Quem é que levará 80 mil pessoas à Bela Vista? Serão os Queen? E os outros dias? Serão os dias menos vendidos com cerca de 30 mil bilhetes? Quem trará a organização no dia de Adele: um grande artista do género ou algo mais ligado ao metal? São tudo questões que devem ser respondidas nos próximos meses. Até lá, o público português agradece esta guerra.