Certamente que todos nós já ouvimos falar do Corpo de Intervenção, essa força policial que desde 2008 pertence à Unidade Especial de #Polícia, tendo passado a ser uma das suas 5 subunidades, a par do Grupo de Operações Especiais, do Corpo de Segurança Pessoal, do Grupo Operacional Cinotécnico e do Centro de Inactivacção de Engenhos Explosivos e Segurança em SubSolo.

A Unidade Especial de Polícia resultou de uma grande reestruturação da própria PSP. Todas as 5 subunidades respondem a uma só voz e defendem o lema "A força da unidade".

Esta subunidade da Unidade Especial de Polícia foi desde sempre considerada uma das unidades mais especiais da PSP, tendo chegado mesmo a ser considerada uma unidade de elite da polícia portuguesa! E ela constitui e sempre constituiu uma força de reserva à ordem do director nacional.

Publicidade
Publicidade

Por norma, esses mesmos homens são chamados a intervir em acções de manutenção e reposição de ordem pública, para combater situações de violência concertada e ainda para colaborar com os comandos no patrulhamento.

E na reposição da ordem pública o Corpo de Intervenção está sempre na linha da frente!

Essa subunidade da Unidade Especial de Polícia já teve também uma unidade cinotécnica no passado, mas que em 2008, com o aparecimento dessa mesma unidade especial, foi desactivada e todos aqueles que a ela pertenciam passaram a integrar o Grupo Operacional Cinotécnico.

O Corpo de Intervenção parte para todas as missões determinado e sem medo, sempre com o espírito de equipa presente, pois ninguém avança sozinho e ninguém fica para trás!

Mas para que o combate se torne fácil para esses homens do Corpo de Intervenção, eles treinam duramente todos os dias, para que estejam bem preparados para os confrontos em situações reais.

Publicidade

E mesmo quando não estão a trabalhar, podem ser chamados a qualquer momento e têm todos de estar prontos e disponíveis!

Todos aqueles homens, antes de serem camaradas de armas, são todos "irmãos" e juntos formam um "corpo"... o Corpo de Intervenção.

E todos juntos agem sempre "pela maioria de razão" (A Fortiori)!