Trata-se de um exemplo, de alguém que merecia uma bola de ouro do fair-play. Ao falarmos de desportivismo e mística, chega-nos à cabeça um nome, Helton. É ele que transmite confiança para o campo e que vive cada momento do jogo como se fossem todos decisivos. É daqueles jogadores que faz a diferença mesmo não jogando, basta estar no campo para ser decisivo. Na última quarta-feira, foi titular contra o Boavista, para a Taça de Portugal, e foi responsável pela passagem do FC Porto à fase seguinte da competição, mas não festejou. Em vez disso, foi confortar o adversário que tinha falhado e quando cometeu um erro grave que podia ter custado caro à equipa, tratou de no imediato pedir desculpa aos adeptos como sempre faz.

Publicidade
Publicidade

É isto que o torna um exemplo dentro e fora do campo, mas além de ser o rei do respeito e o maior símbolo presente no plantel do FC Porto, também é um grande jogador, um grande guarda-redes. Na última temporada, depois de 1 ano lesionado, ao 2º jogo após a recuperação, fez uma grande exibição frente ao SC Braga e acabou por salvar o FC Porto da derrota. Nessa altura, o FC Porto também sofreria um penalti quando estava a ganhar por 1-0, e nessa vez Helton não conseguiu a defesa. Mas  todas as outras defesas efectuadas foram suficientes para ser o herói daquela noite.

Com a titularidade no último jogo, para a Taça, conseguiu ultrapassar Drulovic como segundo jogador estrangeiro com mais jogos pelo FC Porto, somando 327 jogos oficiais pelos "Dragões", mas ainda está longe do recorde que é de 474 jogos e pertence ao também brasileiro Aloísio.

Publicidade

Vai na 11ª temporada consecutiva no Dragão e nos 327 jogos que fez de Dragão ao peito soma 29387 minutos e 225 vitórias contra apenas 43 derrotas.

É o jogador do plantel do FC Porto há mais tempo no clube, sendo um símbolo de mística naquele plantel; com 37 anos ainda pretende continuar a jogar no FC Porto durante mais alguns anos, pelo menos, e é certo que ficará na história do clube. Helton tem outra paixão além do #Futebol, a música. Sabe tocar guitarra e até bateria, tendo mesmo uma banda denominada "UZÔME". Por isso até é provável que depois do futebol, possa assumir algum papel no mundo da música ou até, quem saiba, ser treinador ou dirigente do FC Porto. #F.C.Porto