A Arábia Saudita e a Síria (ou pelo menos a facção de Bashar al-Assad, reconhecida internacionalmente como o governo legítimo da Síria) têm várias coisas em comum, como a violação dos direitos humanos, a exploração dos direitos dos trabalhadores e a falta de liberdade religiosa. Mas isso não impede as duas maiores potências mundiais de serem seus aliados. Os Estados Unidos são aliados da Arábia Saudita e a Rússia da Síria. Aqui sobressaem os interesses estratégicos e económicos de ambos os países que pretendem controlar o Médio Oriente e exercer a sua influência em todo o mundo. 

Primeiro, a Arábia Saudita, o "grande" aliado dos Estados Unidos.

Publicidade
Publicidade

Os Estados Unidos falam constantemente nos direitos humanos e na democracia, acusam a Rússia de restringir a liberdade de expressão e ainda dizem que o Governo Sírio é responsável por várias atrocidades. Isso até é tudo verdade; contudo, a América mantém relações com um país que é dos menos democratas e livres no mundo. São várias as notícias que revelam total falta de humanismo por parte do Governo Saudita. Um país que todos os anos executa milhares de pessoas por desrespeitarem o Islão ou por criticarem o governo. Quem não é muçulmano não pode manifestar a sua religião livremente e mesmo alguns muçulmanos não podem viver em liberdade.

O país segue a Sharia, que é o direito Islâmico, sendo que o governo do país impõe as leis segundo a lei Islâmica descriminando quem não segue o Islão. Para piorar, na Arábia Saudita não há eleições para decidir o governo e está no poder um Rei que exerce o seu poder sem oposição e com todos os direitos, uma monarquia absolutista.

Publicidade

Além disso, as mulheres ainda são tratadas como animais; até há pouco tempo não podiam votar ou ser eleitas e ainda não podem conduzir, viajar e não podem confraternizar com pessoas do sexo masculino.

Na Síria, a situação é igualmente vergonhosa. A Síria é uma república semipresidencial onde Bashar Al-Assad é o Presidente já desde 2000. A internet é censurada e muitos ativistas são presos. Apesar de a Constituição garantir a igualdade de género, há algumas leis que discriminam as mulheres. Mais de 200 mil já foram mortos durante a guerra no país e o governo sírio é responsável por várias dessas mortes. Torturas e desaparecimentos são comuns no país.

Sumariando, são dois países longe da democracia e da liberdade a que estamos acostumados. Os Estados Unidos e a Rússia cometem um erro ao relacionar-se com estes dois países mas os interesses e a lógica de poder, infelizmente, continuam a dominar a #Política Internacional, e assim continuarão por muitos anos.