Com esta vitória sobre o FC Porto, o #Sporting deu um passo psicológico importante rumo ao título. Ultrapassou o complexo do "Natal", mostrou que consegue recuperar de um desaire e voltou à liderança. Colocou intensa pressão sobre o treinador Lopetegui, que vê o seu lugar em risco nas opiniões de adeptos de todos os clubes. Contudo, ainda faltam muitas jornadas e tudo se mantém em aberto, sendo o Sporting quem tem mais a perder.

Tudo ou nada para os leões

Desde 1982, o Sporting CP venceu 2 campeonatos. Na mente dos adeptos, no nosso dia-a-dia, os clubes são eternos: não se imagina que possam acabar. Contudo, uma vista de olhos pelas escolas do país revela uma realidade diferente.

Publicidade
Publicidade

Os adeptos do Sporting são cada vez menos. Bruno de Carvalho, que só terá festejado pessoalmente quatro títulos dos leões ao longo da vida, sabe disto e sabe que o Sporting corre contra o tempo. Se não chegarem títulos rapidamente, a representação social e geográfica dos sportinguistas vai começar a desaparecer.

Pesem as tradições familiares, etc., o clubismo faz-se de vitórias. Principalmente este clubismo que temos em Portugal, que é feito não em função de uma pertença, a uma cidade ou região, mas à adesão ao Maior que nos venha lá da capital ou de onde for. Se ele é o Maior, vamos fazer parte dele também. Daí que seja visível, em Portugal Continental a sul do rio Vouga, e também nas Ilhas, núcleos de adeptos portistas cada vez maiores e mais activos. E nas escolas, miúdos que nem sabem o que é uma francesinha - e muito menos um fino, um trengo ou o que é a feira de Vandoma - já se dizem adeptos do clube azul-e-branco.

Publicidade

Liga com… 2 grandes?

Não é difícil imaginar, num mercado pequeno como o português, uma Liga de futebol com apenas dois clubes grandes. É o que acontece, por exemplo, na Escócia, com o Celtic e o Rangers (antes de se ter "afundado"). Se o Sporting Clube de Portugal não desenvolver uma dinâmica de vitórias rapidamente, corre o risco de se transformar num novo Belenenses - um clube que, ao tempo do seu título de campeão e das suas equipas onde se destacava Matateu, era um clube com uma interessante representação a nível nacional. Que, após muitas décadas sem títulos, se perdeu.

A Liga 2015/16 não trata apenas de saber se Jesus consegue chegar ao tricampeonato. Trata-se de vermos se o Sporting consegue lançar bases para um ciclo que lhe permita sobreviver enquanto clube grande.