Na madrugada de domingo, 21 de Fevereiro, em plena Avenida do Uruguai, no centro de Lisboa, um homem de 29 anos deambulava pelas ruas da cidade completamente nu. Pouco passava das seis da manhã quando a PSP foi alertada para o sucedido, pelo que enviou prontamente uma patrulha para o local, para que que fosse averiguado tudo o que estava a acontecer. Segundo a comunicação social, o homem apresentava um “comportamento violento e um discurso incoerente” e o individuo em questão acabou mesmo por agredir um dos agentes da PSP com um soco no nariz.

Pelo que os vizinhos dele afirmaram, ele é portador de problemas psiquiátricos e, uma vez que se encontrava com alteração de comportamento e um pouco violento, os agentes da PSP transportaram-no ao Hospital de Santa Maria, onde acabou por ficar internado no serviço de Psiquiatria.

Publicidade
Publicidade

Entretanto, o agente agredido acabou também por ser assistido nesse mesmo hospital, mas como apresentava apenas ferimentos ligeiros acabou por ter alta hospitalar. Inacreditável como as agressões aos elementos das forças de segurança continuam e nada é feito para deter essa onda de violência contra eles!

Enquanto os agressores continuarem a sentir-se impunes, eles continuarão a fazer o mesmo ou até mesmo pior. Quantos mais polícias terão que ser agredidos para que algo seja feito? Agredir um agente da #Polícia deveria ser motivo mais do que suficiente para condenar o agressor. O polícia representa a ordem e a lei, como tal tem que ser respeitado e, a partir do momento que é agredido, a lei e a ordem ficam em causa.

De relembrar ainda o caso do agente da PSP que foi barbaramente espancado, esfaqueado e roubado nas festas da Moita, e só não acabou morto porque, felizmente, dois ou três cidadãos tiveram a dignidade de o proteger! Pois mesmo ele estando já inanimado, os agressores continuavam a espancá-lo e, caso não tivesse sido protegido, eles só deixariam de o espancar quando estivesse sem vida! E nem assim os agressores de polícias passaram a ser punidos...

Publicidade