“Um trolha homossexual. Um jogador de futebol filósofo. Um humorista deprimido. Uma prostituta de alma. Um assassino refinado. Uma prostituta de corpo. Um homem que consegue pensar e sentir o que os outros pensam e sentem”. Esta é a sinopse do romance que lança a questão fundamental: qual é, afinal, o poder do sexo no mundo atual?

Ao receber, por cortesia da Chiado Editora, um dos romances de Pedro Chagas Freitas – In Sexus Veritas – confesso que me assustei com o tamanho. São, sem tirar nem pôr, 1343 páginas que podem, à partida, deixar-nos aborrecidos. O que é certo é que esse aborrecimento só dura até começarmos a ler o livro.

Publicidade
Publicidade

Esta é a história de Jesus Cristóvão, Ary Solvir, Filipe Momó, Fifinha Proust, Aníbal Leites, Cátia Cassandra e João Judas – sete personagens, sete histórias de vida que se cruzam, a dado momento, umas com as outras. Cada personagem tem uma história interessante, que nos cativa nas primeiras páginas. Depois de percebermos quais as bases das vidas de cada uma dessas personagens, começamos a entrar na parte mais interessante: o desenvolvimento, no qual são abordados temas como a traição, a prostituição e até o mundo de um assassino.

Pedro Chagas Freitas não desilude no que toca à sua forma poética e criativa de escrever: as frases profundas são garantidas e a vontade de sublinhar o livro todo é constante. No entanto, neste livro podemos ver um género ligeiramente diferente, pois o autor conta realmente uma história.

Publicidade

Uma história que mistura amor e mortes, uma história que vai desde a violência de uma paixão à perspetiva artística de uma morte.

Para quem conhece o autor, principalmente quem leu Prometo Falhar, vai notar certamente algumas diferenças, mas também as típicas semelhanças na sua forma de escrever que é, a meu ver, única.

In Sexus Veritas é, em suma, um livro cujas páginas contam uma história cativante, que envolve o leitor de tal forma que as suas mil páginas acabam por passar despercebidas. Uma história a não perder, que só podia ter sido escrita por Pedro Chagas Freitas. #Livros #Literatura