Foi por um "quase" que Marcelo Rebelo de Sousa não me arrebatou ontem, quando demonstrou como o tema da igualdade género o preocupa. O discurso proferido pelo atual Presidente da Nação perante um grupo de embaixadoras estava a soar que nem Anselmo Ralph em concerto de tomada de posse aos meus ouvidos; estava mesmo, mesmo, quase a considerar votar no senhor em caso de recandidatura, até que aquele "quase" estragou tudo. 

Admito que me impressiono com facilidade no que toca a estes assuntos, visto que, na verdade, este discurso de Marcelo não passaria de uma tosta mista dialéctica: uma refeição frugal, manifestamente insuficiente numa sociedade tão esfomeada das várias formas de justiça e inclusão social, pobre em nutrientes  - dado que a resolução do problema está muito além de encontrarmos fatias de queijo e de fiambre simetricamente e matematicamente iguais (que é como quem diz, a mera paridade numa dicotomia artificial homem/mulher) - não obliterando a ausência de consideração de conceitos como a equidade, a sororidade, a violência de género e por aí fora. 

Porém, e sendo este um assunto pouco debatido, e sobretudo, pouco debatido com vontade, na comunidade política, antes comer a tosta de Marcelo do que morrer à fome.

Publicidade
Publicidade

Mas, pelos vistos, o que Marcelo nos oferece é uma quase tosta mista... o que será isso? Uma tosta mista sem fiambre? Bolachas Maria a substituir o pão de forma? Um copo com água?

Mais do que problematizar uma auto-denominação, de forma aparentemente picuinhas, há que enfatizar a dúvida que este "quase" de Marcelo Rebelo de Sousa nos deixa: o nosso Chefe de Estado é ou não é feminista? Ou será que o reconhecido constitucionalista, que se diz "o Presidente de todos", não é verdadeiramente inclusivo das pessoas realmente e indubitavelmente feministas, implicando que o feminismo é uma doutrina que vai negativamente além da tal paridade entre géneros, querendo-se (à distância de um "quase") afastado disto?

Decida-se, Senhor Presidente. Estamos cá com uma larica... #Direitos #Marcelo Rebelo de Sousa