Uum estudo realizado no ano passado pela universidade de Albany, nos Estados Unidos da América, envolvendo 60 estudantes, sobre a preferência dos homens em relação ao tamanho dos pés femininos, concluiu que os tamanhos reduzidos (inferior ao número 36) eram os mais escolhidos. No seio das famílias de cultura oriental, acreditava-se que mulheres com pés grandes tinham mais dificuldade em casar.

Assim, na China, para tornar as mulheres mais atraentes, um costume que se aplicava às crianças do sexo feminino desde tenra idade, era partir os dedos dos pés e enfaixá-los em meias de seda, sob uma forte pressão, para que ficassem atrofiados.

Publicidade
Publicidade

Por meio desta prática, com raízes desde o século X, um pé enfaixado com sucesso tinha entre sete a dez centímetros de comprimento. A prática em si, evidentemente muito dolorosa, foi proibida em 1950 após o triunfo da revolução comunista chinesa.

Há quem diga que esta tradição se iniciou porque o Imperador terá ficado fascinado com uma concubina que, ao dançar na forma de flor de lótus, apresentava os pés pequeninos. O interesse do soberano levou a que as mulheres, para lhe agradarem, se submetessem a esta prática que, além de ser dolorosa, as deixava também muito limitadas na sua capacidade de locomoção, passando a maior parte do tempo sentadas e dependentes da ajuda dos maridos. Contudo, para os esposos era um orgulho ter uma mulher com este tipo de #Beleza. Os chineses consideravam belos os pés muito pequeninos por, na sua apreciação, serem semelhantes à flor de lótus.

Publicidade

Existem outras versões de como surgiu aquele costume, mas a verdade é que acaba sempre na adoração que os homens sentem pelas mulheres com pés pequenos, delicados e eróticos.

Embora as questões culturais e sociais tenham evoluído na China e, entretanto, tenha sido erradicada esta tradição horrorosa, ainda há muito trabalho a fazer para que haja igualdade de direitos humanos. Por outro lado os pés continuam a ser objecto de culto, prazer e erotismo. Podolatria é o nome dado a este fetiche, um tipo particular de parafilia – um padrão de comportamento sexual no qual, em geral, a fonte predominante de prazer não se encontra na cópula, mas em alguma outra atividade - cujo desejo se concentra nos pés. Eles adoram tocar, beijar, lamber ou massajar os pés de outra pessoa.

Penso que a beleza de uma mulher não se restringe às suas medidas. Não precisa de ser uma sereia... A personalidade de cada uma, a inteligência e sensualidade aliada à beleza espontânea também faz a diferença. Sendo assim com pezinhos pequeninos ou grandes, interessa cuidar deles e ter uma atitude positiva. E à noitinha tenha uma massagem deliciosa do seu parceiro... #Inovação