Depois de terminar de ler este livro, estive algum tempo sem saber como o descrever, sem saber muito bem o que dizer, sem encontrar as palavras certas. Escrevi e apaguei diversas frases, nenhuma me parecia suficientemente expressiva do que é contado no livro, nenhuma me parecia ter a força necessária para retratar toda a intensidade emocional dos relatos, pois queria que o leitor conseguisse sentir o que eu senti enquanto os lia. No entanto, penso que apenas lendo estas histórias reais se conseguirá experienciar essas emoções.       

São-nos transmitidos, na primeira pessoa, os testemunhos de quem viveu a #Tragédia, dos sobreviventes que nos relatam os detalhes desconhecidos sobre Chernobyl, que recordam e partilham com a autora (e com todos nós) o peso dos seus efeitos e a sua verdadeira dimensão e alcance, os quais poucos de nós sequer imaginariam.

Publicidade
Publicidade

O impacto de um acontecimento que deixou muito por dizer, calando o sofrimento de quem teve de suportar as suas duras consequências e que nunca mais voltou a recuperar a vida como era antes da catástrofe.         

Um desastre voraz que foi banalizado e encoberto. Vítimas inibidas de falar sobre o assunto, obrigadas a mergulhar num silêncio imposto e num profundo isolamento. Pessoas que se recusaram a abandonar as suas casas, a sua terra, ou que voltaram à revelia das autoridades, que não lhes permitiam regressar, e o preço que tiveram de pagar por isso, na sua maioria, por ignorarem ou subestimarem os riscos e o perigo que corriam. Pessoas que foram enviadas, de forma negligente e, em muitos casos, pouco voluntária, para fazer os trabalhos necessários na zona pós-desastre nuclear, sem que lhes fosse fornecida qualquer proteção adequada contra a radiação.

Publicidade

   

Relatos pessoais das batalhas travadas contra a doença, a exclusão, a solidão e o horror implacável e silencioso da radiação. As vozes tristes, chocantes e sofridas de adultos e crianças, que vão prender a nossa atenção até à última página. Pessoalmente, há muito tempo que não lia um livro que mexesse tanto comigo; levou-me às lágrimas em diversos momentos.

Svetlana Alexievich, vencedora do Prémio Nobel de Literatura de 2015, apresenta-nos um livro que veio para emocionar e impressionar. #História #Livros