Fernando Santos anunciou esta terça-feira, dia 17 de Maio, os vinte e três jogadores que irão representar a seleção das quinas no campeonato europeu de França deste ano. Muitos repetentes, muitas novidades. O lote dos convocados contou, à partida, com as baixas de Fábio Coentrão, Dani e Bernardo Silva, ausentes por lesão. De resto, a previsibilidade marcou as escolhas do selecionador nacional, que antes prefere apostar numa equipa com rotinas já criadas do que arriscar na construção de um novo grupo virado para o futuro.

Uma das más escolhas de Fernando Santos foi, sem dúvida, a aposta num eixo central com muitos anos nas pernas.

Publicidade
Publicidade

Pepe, Bruno Alves e Ricardo Carvalho podem dar experiência e segurança à equipa, mas não será uma aposta excessivamente estática? Não faltará a frescura ou a capacidade de antecipação de um talento português chamado Daniel Carriço? Não é ele titularíssimo na equipa do Sevilha que, por sinal, acabou de conquistar a Liga Europa pela terceira vez consecutiva?

Outra das opções incompreensíveis do selecionador é a chamada de Cédric Soares, que joga atualmente no Southampton. E não o substituiria por André Almeida, que apesar de ter sido campeão no Benfica, fez um campeonato inconstante e sem brilho na equipa de Rui Vitória. Sabendo antecipadamente que Fernando Santos, melhor do que ninguém, conhece os jogadores portugueses a atuar no estrangeiro e observa atentamente as suas exibições, é estranho não se ter lembrado de Ricardo Pereira, jogador do FC Porto emprestado por duas temporadas ao Nice.

Publicidade

Para quem não o acompanha, tem feito muito sucesso, tanto a lateral esquerdo, como a lateral direito, com várias assistências para golo, tendo já sido considerado pelos media franceses como jogador-revelação. A sua polivalência poderia, sem dúvida, tornar-se numa grande vantagem para a equipa das quinas, que se vê privada de Fábio Coentrão.

Na zona do meio campo, Renato Sanches, apesar das euforias mais recentes com a transferência para o Bayern e com a confirmação de que o público o considera o novo #Cristiano Ronaldo, é ainda muito imaturo para estar incluído no lote dos melhores de Portugal. Não nego que a ausência de Bernardo Silva possa ter motivado a entrada prematura de Sanches na lista dos convocados, mas Fernando Santos deveria ter esperado para ver o seu real valor numa das melhores equipas europeias, à semelhança do que aconteceu com Ronaldo, que veio a confirmar o seu talento no Manchester United. Quantas vezes as maiores promessas a jogar em Portugal não se mostraram autênticos fiascos nos maiores palcos do mundo e sob pressão da conquista de uma vitória?

Já no que toca ao ataque, é inexplicável a insistência de Fernando Santos por Éder.

Publicidade

Um avançado esforçado na zona atacante não é suficiente para colmatar a óbvia falta de golos. A verdade é que desde as saídas de Nuno Gomes, e sobretudo Pauleta, a falta de referências ofensivas tem sido a principal dor de cabeça para os selecionadores da equipa das quinas. Cristiano Ronaldo parece ainda ser a melhor opção para ponta de lança, posição que já assumiu não ser da sua preferência. #Selecção