“A nossa crença na eficácia da ficção como a forma melhor e mais pura de biblioterapia baseia-se na nossa própria experiência com pacientes e é apoiada por uma avalanche de provas empíricas. Por vezes é a história que encanta; por vezes é o ritmo da prosa que trabalha na psique, aquietando ou estimulando. Por vezes é uma ideia ou uma atitude sugerida por uma personagem que está num dilema ou num sarilho semelhantes”. É desta forma que as autoras, Ella Berthoud e Susan Elderkin, iniciam este tratamento à base de Remédios Literários, fundamentando, de forma credível, a crença na cura pelos #Livros.

Este livro é o guia ideal para todos aqueles que adoram ler e que acreditam que ler é o melhor remédio para as suas preocupações e angústias, mas também para aqueles que gostariam de ler mais, mas não sabem por onde começar ou o que procurar.

Publicidade
Publicidade

Em jeito de dicionário, organizado por ordem alfabética, é apresentada ao leitor uma grande variedade de opções literárias para diversas enfermidades. Cada entrada corresponde a uma "patologia" emocional, psíquica ou física, para a qual é aconselhada uma terapêutica literária, ao mesmo tempo que é explicado o porquê da seleção da obra, qual o teor da mesma, bem como os motivos pelos quais não se deve dar voz a certos sentimentos tóxicos e as melhores fórmulas para ultrapassar ou lutar contra certa moléstia, seja ela física, um sentimento ou um estado de espírito.

Assim, ao nível emocional, vai deparar-se com entradas como “Ambição, demasiada”, para a qual é recomendado o romance Grandes Esperanças, de Charles Dickens, ou ainda como “Vingança, em busca de”, para a qual é prescrita a obra Monte dos Vendavais, de Emily Brontë, e para doenças ou males físicos, terá, por exemplo, ”Dor de cabeça”, para a qual é aconselhado o livro Os Fidalgos da Casa Mourisca, de Júlio Dinis.

Publicidade

Além das sugestões para este tipo de problemas, vai igualmente descobrir, ao longo da obra, diversas listas com recomendação de livros com características peculiares ou para situações específicas, nomeadamente “Os melhores romances de ficção científica para principiantes” e “Os melhores romances depois de um pesadelo”, bem como obras adequadas para cada etapa ou fase da vida, como “Os melhores romances para os trinta e tal anos”.

Os leitores que enfrentam algumas dificuldades mais técnicas nas suas leituras podem também encontrar, seguindo a ordem alfabética do livro, pequenas secções dedicadas aos problemas de leitura mais frequentes, com excelentes dicas e ideias que vão ajudar em situações como “Desistir a meio, tendência para”, cujo remédio será “Leia durante períodos mais longos”, ou como “Viver em vez de ler, tendência para”, para a qual é apresentada a solução de “Leia para viver mais profundamente”. Sempre elucidando sobre como aplicar a resolução aconselhada.

No final do livro dispõe ainda de vários índices, caso pretenda fazer uma pesquisa diretamente pelo seu romance ou autor preferidos.           

Esta obra é uma verdadeira panaceia, mesmo para quem não padeça de nenhum dos males assinalados.

Publicidade

Descontraído, original, hilariante, de leitura leve e fluída, Remédios Literários torna-se, em si mesmo, uma terapia, o remédio perfeito para se distrair e relaxar do stress do quotidiano, para esquecer, nem que seja apenas por uns momentos, aquilo que o perturba e inquieta.            

Mesmo não tendo qualquer formação médica, sinto que devo, com toda a convicção e com a maior confiança, “prescrever” este livro, que o vai divertir e ajudar na orientação das suas leituras.

Revitalize-se com os grandes clássicos da literatura. #Literatura #Casos Médicos