O basquetebol feminino português atravessa provavelmente um dos melhores momentos de sempre. Na semana passada a ex-basquetebolista portuguesa Ticha Penicheiro foi eleita nos Estados Unidos como uma das melhores jogadoras de sempre da WNBA. A ex-basquetebolista portuguesa Mery Andrade assumiu recentemente a posição de treinadora adjunta na equipa San Diego (EUA), para onde acabou de se transferir a Sub17 Ana Ramos, MVP no último Europeu Sub16 e que integra a selecção portuguesa sub17F.

Ana Jesus, Ana Ramos, Beatriz Jordão, Catarina Lopes, Cláudia Viana, Constança Gonçalves, Eliana Cabral, Luana Serranho, Mariana Silva, Maryam Chermiti, Susana Carvalheira e Tess Santos: estas 12 basquetebolistas portuguesas estão a fazer história no Mundial em Saragoça, Espanha.

Publicidade
Publicidade

Superaram as melhores expectativas no Europeu Sub16 no ano passado, em Matosinhos, ao chegarem pela primeira vez a uma final e ao serem vice-campeãs europeias. Nenhuma outra selecção portuguesa de qualquer escalão tinha conseguido ir para além dos quartos de final de um Europeu. As vice-campeãs europeias sub16, depois deste enorme feito para o #Basquetebol português, classificam-se automaticamente para o Mundial Sub17 do ano seguinte (2016).

Esta selecção faz história e torna-se a primeira selecção portuguesa de basquetebol a estar num Mundial. Em nenhum escalão do basquetebol português se tinha atingido este patamar.

Portugal, após ganhar ao Mali, garantiu o segundo lugar do Grupo D, logo a seguir à Espanha, e classificou-se para os 1/8 de final do Mundial 2016 Sub17. Depois de uma derrota na primeira jornada com a equipa da casa, a Espanha (59-51), na segunda jornada sofreram uma derrota com o Brasil (54-58), mas foram claramente superiores no primeiro tempo, cilindrando a selecção brasileira (22-8). 

A história continua a ser escrita a letras douradas.

Publicidade

O basquetebol feminino português está no top mundial. Graças a esta equipa sub17, com a presença nos 1/8 de final deste Mundial, Portugal tem garantido o 12º Lugar Mundial deste escalão. E agora temos a desforra da final do Europeu 2016, frente à fortíssima República Checa. Vamos continuar a sonhar, porque estas gigantes portuguesas já nos fizeram acreditar que são capazes dos maiores feitos.

Esta é uma receita que se revela de sucesso. A Federação Portuguesa de Basquetebol, as várias associações distritais, clubes de norte a sul e ilhas, todos têm sabido potenciar o basquetebol feminino. E claro, há a destacar uma equipa técnica liderada pelo grande timoneiro Agostinho Dias Pinto, bicampeão nacional em Sub14F (CPN - Ermesinde) 

Quem acompanha o basquetebol feminino português com atenção não se surpreende, porque sabe que vamos continuar a assistir a mais momentos como este; qualidade na formação desta modalidade não falta, e se existirem mais apoios ao dispor da modalidade, mais destaque dos meios de comunicação, podemos dentro de poucos anos ser uma potência mundial. 

Resta saber se os maiores meios de comunicação portugueses (televisões, rádios e jornais) vão continuar a ignorar o que muitos já aplaudem...

Publicidade

No Europeu 2016 sub16F em Matosinhos estiveram mais de duas mil pessoas no pavilhão a ver os jogos de Portugal. Este verão teremos em Matosinhos, de 9 a 17 de Julho, o Europeu Sub20 feminino e o pavilhão vai voltar a encher-se de emoção e apoio à nossa selecção.