Numa altura em que existem pessoas que afirmam que a criminalidade está a diminuir em Portugal, o que observamos é exactamente o oposto. O #Crime continua e aumenta a cada dia que passa no nosso país! E já não é apenas nas ditas cidades grandes que o crime acontece; nas mais pequenas ele também existe. Num mês apenas, mais de dez igrejas foram assaltadas na zona do Minho. E os últimos assaltos terão sido efectuados entre segunda e quarta-feira da semana passada, durante a madrugada e manhã.

Ao que parece, só na última semana já foi roubado um sacrário em prata em Guimarães e a cruz paroquial da sacristia em Revelhe, na zona de Fafe. Mas além de Revelhe, também outras duas localidades foram igualmente alvos de assaltos: Fornelos e Medelo, ambas no concelho de Fafe.

Publicidade
Publicidade

Por coincidência, todas estas localidades foram atacadas por um grupo conhecido como o "gang das esmolas". Estes, além de roubarem as igrejas, também as vandalizam.

Polícia Judiciária já está a investigar

A #Polícia Judiciária de Braga já se encontra em campo a investigar e admite mesmo que todos esses assaltos possam realmente ter sido efectuados pelo mesmo gang.

Maria Custódia, uma paroquiana de Fornelos, terá sido uma das primeiras pessoas a entrar na igreja após o assalto. Na edição do Correio da Manhã de ontem (26 de junho), essa mesma paroquiana conta o que se terá passado: "Abriram um quadrado na porta para a conseguirem destrancar e depois destruíram tudo lá dentro. Até cortaram o altar para roubar o sacrário, mas quando viram que não era em prata desistiram de o tirar".

O objectivo deste grupo é mesmo roubar, mas como por vezes chegam à conclusão que os objectos em questão nem têm assim tanto valor como pretendiam, vandalizam e estragam tudo! Para eles, o facto de ser uma igreja, uma casa ou qualquer outro local não importa, desde que consigam obter aquilo que pretendem.

Publicidade

Infelizmente, as igrejas também não estão livres do vandalismo e da violência. Lugares sagrados e locais de oração deveriam, no mínimo, ser respeitados.