Numa altura em que algumas organizações tanto acusam os polícias de agressões, mais polícias foram no entanto agredidos no cumprimento do dever. Desta vez foram dois militares da GNR de Santa Comba Dão. Esses militares, que se encontravam de serviço, receberam mais um pedido de ajuda. Como sempre, prontamente responderam a uma chamada de alerta para um caso de violência doméstica no Bairro das Chancas, em Carregal do Sal.

Após chegarem ao local da agressão, e enquanto estavam a ouvir as explicações dadas pela vítima, foram surpreendidos pelo agressor. O agressor, que entretanto se tinha escondido num dos anexos da casa, acabou por surpreender e agredir à traição esses mesmos militares com uma bomba de ar de encher pneus de bicicleta.

Publicidade
Publicidade

Mas entretanto os dois agentes, mesmo feridos, ainda acabaram por conseguir neutralizar o agressor, que imediatamente foi algemado no local e detido.

Devido às agressões sofridas, um dos militares da GNR acabou por ser atingido num braço e o outro teve ferimentos vários nas costas. Tiveram ambos necessidade de receber tratamento hospitalar.

Está mais do que comprovado que os militares a GNR (e agentes da PSP) possuem um enorme risco acrescido por serem das Forças da Segurança. E muitas vezes, mesmo com a segurança em risco e a sua vida em perigo, não recuam e nem desistem; eles vão em frente e cumprem o seu dever custe o que custar, dignificando o compromisso de honra por eles proferidos sobre a bandeira portuguesa, de proteger e defender todos os cidadãos, mesmo que para isso tenham que dar a própria vida.

Publicidade

Por isso, ser #Polícia não é ter uma profissão, mas sim abraçar uma missão para toda a vida. Eles sabem desde o início que escolheram ter uma vida arriscada, uma vida que tantas vezes lhes traz tantos sabores amargos, uma vida que lhes tira tantas horas junto da família e dos amigos e que por vezes os obriga a estarem a vários quilómetros de distância da sua terra. Mas mesmo assim eles não desistem e continuam a ser representantes das Forças de Segurança, continuam a honrar e a dignificar a instituição para a qual trabalham.

Como todos nós sabemos, a polícia é e será sempre a linha que separa a ordem do caos. Por isso mesmo, nunca esqueçam que sem limites não existe cidadania, mas sem polícia nunca existirão limites. #Crime