Pedro Dias, o alegado homicida de Aguiar da Beira, 5 dias depois de ter assaltado uma casa em Tojais, perto de Vila Real, poderá ter voltado a penetrar numa moradia em busca de recursos que permitam sustentar a sua fuga. As autoridades registaram um assalto numa casa, situada em Paços, no concelho de Sabrosa (igualmente em Vila Real) que ficará a 500 metros aproximadamente da quinta dos cavalos que, nos últimos tempos, tem sido alvo de buscas pelas autoridades.

Há registo de furto de binóculos e terá, aparentemente, remexido algumas roupas. Segundo o Correio da Manhã deste sábado (22 de outubro), as autoridades terão encontrado vestígios de sangue, impressões digitais e cabelos em várias zonas da habitação, e ainda restos de refeições feitas recentemente.

Publicidade
Publicidade

As autoridades terão sido alertadas este sábado, pela hora de almoço, pela pessoa responsável da limpeza da dita habitação. A Polícia Judiciária já se encontra no local para analisar o caso, tal como os militares da GNR, que também já lá se encontram a efectuar buscas.

Mais uma vez, a casa não terá sido escolhida ao acaso por Pedro Dias, pois a mesma encontra-se desabitada. Ele baleou mortalmente um militar da GNR, um civil e feriu gravemente ainda três pessoas, no passado dia 11 de outubro, e até hoje ainda não foi capturado, apesar de já ter furado algumas barreiras policiais e ter sido visto em algumas localidades. Continua em curso uma verdadeira caça ao homem em Portugal, e até Espanha está já de sobreaviso.

O risco da profissão

Todos os acontecimentos deste caso, realçam mais uma vez, o risco inerente à profissão, de todos os polícias, durante o desempenho das suas funções.

Publicidade

O militar da GNR baleado mortalmente por Pedro Dias estava apenas a cumprir o seu dever. Tal como Bruno Chaínho e Nuno Anes, mais dois militares que, no cumprimento do dever, deram a vida para ajudarem, protegerem e defenderem outras vidas.

Nunca devemos esquecer, que para haja cidadania, tem que haver limites, e para esses mesmos limites existirem, obrigatoriamente tem que haver polícias.

Os polícias são a linha que divide a ordem da desordem e do caos. #Crime #Polícia