Desde sempre crescemos rodeados dos grandes autores clássicos da #Literatura portuguesa. Camões, Eça ou Pessoa são apenas alguns exemplos dos autores que todos devíamos ler ou pelo menos ter algum tipo de contacto e conhecimento. Toda a base da literatura light com que temos tido contacto nos últimos anos começou com os clássicos, mentes controversas que foram questionadas no seu tempo mas, que olhando agora para trás, percebemos a genialidade das suas mentes.

A verdade é que se perguntarmos a um jovem o que está a ler no momento ou o que leu nos últimos meses a única coisa que ele sabe dizer é que leu o livro x da saga do "Harry Potter" ou que está naquele momento embrenhado nas tramas do "Fifty Shades of Grey", mas o que é que aconteceu à leitura de clássicos como "A Queda de um Anjo" ou "Amor de Perdição" ? Ou mesmo aos clássicos da literatura internacional como "The Great Gatsby" ou "Romeo and Juliet"? Os grandes autores foram descartados e substituídos por literatura light.

Publicidade
Publicidade

Mas a geração atual tem de tomar uma posição em relação a isto. Os alunos detestam a disciplina de Português e se lhes puserem a opção de terem Literatura Portuguesa ou MACS, correm em direção a MACS. Mesmo que a ideia de utilizarem uma calculadora seja enjoativa para eles, pensar em pegar num livro ou num pedaço de poesia para lerem e analisarem é ainda mais repugnante... A nossa realidade, no meio do mundo digital e da tecnologia, é deixarmos cada vez mais desaparecer os clássicos e desaparecer o papel, trocar o mundo imaginário dos #Livros por livros digitais.

Pensamentos críticos provocados por mentes infestadas por ideais revolucionários ou por maneiras de declarar o seu amor estão a ser trocados por ideias feitas e pelo idealismo de que qualquer coisa, seja ela positiva ou negativa, desde que seja publicada em algum local ligado à internet, se for lida de modo eletrónico, é melhor e mais verdadeira do que um livro ou do que alguma coisa física. 

Os livros, os pensamentos críticos e originais estão perdidos, trocados pela magia de Hogwarts e pelas lutas dos "Hunger Games".

Publicidade

#Educação