Esta segunda-feira (3 de outubro), a #Polícia Judiciária (PJ), munida de mandados de busca e de detenção, deslocou-se ao bairro da Torre (Loures) para efetuar buscas, que tiveram início pelas 07.45 horas. A PJ investigava um grupo que fazia assaltos a carrinhas de transporte de tabaco. Os 3 indivíduos que estiveram envolvidos no tiroteio no Porto Alto, na passada sexta-feira (30 de setembro) também faziam parte desse mesmo grupo.

O tiroteio no Porto Alto

Esse tiroteio aconteceu após uma perseguição que começou na ponte Vasco da Gama (Lisboa), quando três homens numa viatura desobedeceram a uma ordem policial de paragem, e terminou no Porto Alto (Benavente).

Publicidade
Publicidade

E só terminou quando a viatura em fuga sofreu um despiste. Após esse mesmo despiste, um dos suspeitos saiu do carro e começou a atirar com uma arma semi-automática, HK P7 9 mms, contra os militares da Guarda Nacional Republicana (GNR). Acto contínuo, em legítima defesa, os militares ripostaram, e acabaram por atingir mortalmente o atirador. Um dos militares foi também atingido, com 3 projéteis (dois numa perna e um num braço). Dos 3 suspeitos, o atirador morreu, mas os outros dois fugiram; um deles barricou-se mesmo dentro de um café, mas mais tarde, acabaram ambos detidos. Foram já detidos e considerados arguidos, com a medida de coação de prisão preventiva, pela prática de roubo, sequestro e homicídio qualificado, na forma tentada, entre outros crimes.

Pistas levam a Loures

Mas, para efetuar essas mesmas buscas, a PJ contou pediu a colaboração da Polícia de Segurança de Pública (PSP), e esta por sua vez, convocou também três das cinco subunidades da Unidade Especial de Polícia (UEP), o Corpo de Intervenção, o Grupo de Operações Especiais e o Grupo Operacional Cinotécnico.

Publicidade

A Unidade Especial de Polícia

Convém aqui referir que a Unidade Especial de Polícia (UEP) surgiu de uma enorme reestruturação da própria PSP, e é uma unidade especialmente vocacionada para operações de alto risco. As suas áreas de atuação incluem manutenção e restabelecimento da ordem pública, resolução e gestão de incidentes críticos, intervenção táctica em situações de violência concertada e de elevada periculosidade e complexidade, segurança de instalações sensíveis e de grandes eventos, segurança pessoal dos membros dos órgãos de soberania e de altas entidades, inactivação de explosivos e segurança em subsolo e aprontamento e projecção de forças para missões internacionais.

Detenções e apreensão de armas

Dessa mega-operação policial, resultaram 11 detenções e a apreensão de algumas armas. E o combate ao #tráfico de armas continua... #Crime