Hoje (18 de outubro) faz uma semana que um militar da Guarda Nacional Republicana (#GNR) e um civil foram assassinados a tiro a sangue frio em Aguiar da Beira, no distrito da Guarda, alegadamente por Pedro João Dias. O suspeito terá baleado ainda um segundo militar da GNR e outra civil. Um terceiro militar da GNR acabou também baleado. No entanto, tal terá acontecido de forma acidental. O militar foi atingido por um disparo da própria arma numa troca de tiros, quando o suspeito conseguiu mais uma vez fugir ao cerco da GNR em Candal.

Os dois ficaram feridos com gravidade. O militar que sobreviveu já teve alta , mas a civil mantém-se internada e o prognóstico mantém-se ainda muito reservado.

Publicidade
Publicidade

Já estamos no oitavo dia consecutivo em que o presumível homicida se encontra em fuga, apesar de todos os esforços e inúmeras operações policiais em curso para o capturar.

Visto em Vila Real

O alegado homicida foi visto pela última vez no domingo, em Vila Real, e na segunda-feira ao final da tarde foi encontrado o carro que terá roubado em Arouca. Além do carro, também retirou dinheiro e alguns mantimentos.

A GNR tem no terreno vários elementos da componente territorial e de trânsito e ainda militares da unidade de intervenção e da investigação criminal, que em conjunto procuram localizar o paradeiro para capturarem o alegado homicida de Aguiar da Beira.

Desde que a viatura roubada em Moldes (Arouca) foi encontrada ontem (17 de Outubro) que toda a atenção das autoridades se concentrou nas acções na aldeia de Carro Queimado, em Vila Real.

Publicidade

As zonas limítrofes estão também a ser passadas a pente fino pelas forças policiais. Foram igualmente efectuadas buscas em habitações da aldeia aparentemente desabitadas e as autoridades até recorreram à ajuda de cães pisteiros, mas não tiveram sinal de vida do suspeito.

Foi reforçado o pedido das autoridades para que toda a população se mantenha atenta e para que, se eventualmente encontrarem situações suspeitas, contactem imediatamente a GNR. O homem mais procurado em Portugal neste momento é considerado muito perigoso e certamente estará fortemente armado, pelo que se alguém o avistar deverá avisar o 112 e não deverá sequer tentar aproximar-se.

A GNR insiste que, apesar da localização e captura do homicida de Aguiar da Beira ser importante, neste momento a prioridade máxima continua a ser a segurança das populações mais isoladas e mais vulneráveis.

Vários militares da GNR que se encontravam de folga ofereceram ajuda e colaboraram também nas buscas. Mais uma vez se confirma toda a abnegação, camaradagem, bravura, coragem, iniciativa e espírito de sacrifício dos mesmos. #Crime #Polícia