Na terça-feira (22 de Novembro), pelas 23.30 horas aproximadamente, ocorreu um roubo violento numa habitação na rua de Londres, Mindelo, Vila do Conde. Essa casa pertencia a um casal de idosos com 79 e 68 anos de idade. Um homem entrou na habitação do casal e, com uma arma de fogo e punho, ameaçou as vítimas, exigindo de imediato todo o dinheiro e ouro que tivessem.

O homem, já com 79 anos, ainda tentou resistir, mas sem sucesso, acabando mesmo por ser violentamente agredido, tal como a sua mulher, que entretanto o tentou ajudar. Além de terem sido assaltados, foram ainda violentamente agredidos pelo assaltante. O casal de idosos não foi morto porque a arma usada pelo assaltante terá encravado exactamente no momento em que ia disparar.

Publicidade
Publicidade

Tudo indica que o assaltante terá mesmo conseguido levar cerca de 150 euros em dinheiro e vários objectos de ouro, cujo valor ainda não foi apurado.

Segundo o que a edição de hoje do jornal Correio da Manhã nos revela, o assalto e a tentativa de homicídio dos idosos terão sido encomendados pelo próprio filho do casal, actualmente com 47 anos, com o objectivo de se apropriar da herança dos mesmos. E a sua namorada terá também sido cúmplice do #Crime.

Os dois idosos, apesar de terem tido necessidade de assistência hospital e de internamento, tiveram alta no dia seguinte pela manhã.

Segundo a #Polícia Judiciária (PJ), o filho desse casal terá planeado o crime na primeira semana de Novembro, entregando ao assaltante suspeito um cheque e dinheiro, como um adiantamento. Valores que foram transferidos para uma conta da namorada do assaltante.

Publicidade

O filho do casal de idosos, o assaltante e a namorada do mesmo ficaram detidos e terão sido presentes a tribunal no dia de hoje (24 de Novembro), tendo ficado a conhecer as medidas de coacção. Os três detidos têm idades compreendidas entre os 22 e os 47 anos.

Quando alguém é capaz de planear a morte dos próprios pais, certamente será capaz de muito mais. Esperemos que a medida de coacção aplicada tenha sido mesmo a prisão preventiva, pois o risco de tentar terminar o que começou certamente existe e é grande.