Hugo Ernano é o militar da GNR que em 2008 baleou mortalmente, de forma acidental, um rapaz de 13 anos, levado pelo pai no interior de uma viatura numa perseguição policial. Ernano entregou hoje, ao Tribunal de Loures, os 55.000 euros a que foi condenado a pagar pelo Supremo Tribunal de Justiça.

Foi um grupo de 6.000 pessoas que, em pouco mais de dois meses, conseguiu reunir todo o dinheiro que o militar necessitava para pagar a indemnização, e que não tinha. Os 6.000 cidadãos, ao reunirem essa quantia, deixam uma mensagem no ar: deixam o seu apoio a todos os agentes de autoridade que, tal como Hugo Ernano, não recuam perante as adversidades e que fazem tudo ao seu alcance para cumprirem o seu dever, como agentes de autoridade que são.

Publicidade
Publicidade

tudo aconteceu durante uma perseguição policial, que teve início após o pai do menor ter desrespeitado uma ordem dada pelo militar para parar e depois de o ter tentado atropelado propositadamente. Tudo isso depois de ter tentado um assalto a uma vacaria de Santo Antão do Tojal.

Ainda vale a pena salientar que o mesmo individuo mentiu em tribunal, afirmando ser quem não era, e de ser também um evadido à justiça; andava fugido do Estabelecimento Prisional de Alcoentre aonde estava a cumprir pena por roubar e agredir de forma violenta pessoas da terceira idade.

O valor final de 55.000 euros foi decretado pelo Supremo, após a acusação ter recorrido a essa mesma instância depois da indemnização reduzida pelo Tribunal de Relação de Lisboa - que também alterou a pena inicial de Hugo Ernano de 9 anos de prisão efectiva, dada pelo Tribunal de Loures, para 4 anos de pena suspensa.

Publicidade

Além disso, até janeiro de 2017, vai continuar suspenso das suas funções de militar da GNR e a receber apenas um terço do seu ordenado. Meses já teve em que apenas recebeu pouco mais de 16 euros!!

Um agente de autoridade que apenas cumpriu o seu dever, mesmo com a sua vida ameaçada e segurança em risco, paga 55.000 euros e cumpre uma suspensão de 250 dias. Quem leva o filho para um assalto, quem mantém um menor no interior de uma viatura durante uma perseguição policial, quem tenta atropelar e ameaçar de morte um agente de autoridade, ganha 11.000 euros e nem sequer é julgado por colocar a vida do próprio filho em risco de vida!

Perante estes acontecimentos todos, infelizmente somos todos obrigados a acreditar que realmente o que dizem por aí é mesmo verdade: que o crime compensa mesmo em Portugal. #Solidariedade #Polícia