O “Triunfo dos Porcos” é um romance satírico que tem como alvo Estaline e a Revolução Soviética. Para #george orwell, um socialista-democrático, a revolução de Estaline na União Soviética não traduzia os princípios de igualdade da revolução russa de 1917. Esse é o alvo. O instrumento para se chegar ao alvo é representado por uma quinta. Na minha óptica, mais do que a questão política, chega-se à conclusão de que o poder turva a vista e corrompe quem o exerce.

A “Quinta dos Animais” – outro título para o romance – dá a conhecer a Quinta Manor governada pelo Sr. Jones. Os animais, revoltados pela exploração de que são alvo, deitam abaixo o “regime” da quinta, passando a mesma a ser governada por um comité composto por três porcos – Bola de Neve, Napoleão e Dedo Duro – sendo que que os dois primeiros vão ter um papel decisivo em toda a narrativa.

Publicidade
Publicidade

Os novos líderes da quinta instalam a doutrina do “animalismo” composta por sete mandamentos. E a doutrina vai-se moldando ao longo da narrativa, começando na tolerância e terminado na opressão.

Todo este contexto para se reflectir numa questão essencial – a igualdade. A igualdade como conceito pouco linear. Ou seja, um conceito vulnerável às subdivisões, às camadas, aos patamares. Como se refere no livro, “todos somos iguais mas há uns que são mais iguais que os outros”.

Uma espécie de pensamento em círculo que, no fundo, vai desaguar na exploração e no esclavagismo. Apesar de tudo correr bem no início, os porcos vão lentamente tendo mais luxos que os restantes animais. Esse desequilíbrio é maquilhado através da mensagem, das palavras. Num pensamento primário, mais vale ser explorado por animais que zelam pelo benefício de todos do que por humanos preguiçosos e incompetentes.

Publicidade

Interessante é também o papel de várias personagens secundárias – como o velho porco Major cujo sonho de uma quinta governada por animais vai ser o mote para a revolução – e as hierarquias que se vão estabelecer no seio do comité dos porcos que governa a quinta. Se o conceito de igualdade é complexo, também o conceito de liderança afina pelo mesmo diapasão: líderes iguais, mas uns mais iguais que outros. #Livros #Literatura