Tal como podemos ler no exclusivo do Correio da Manhã desta quarta-feira (7 de Dezembro), um grupo formado por seis homens, entre os 20 e os 47 anos de idade, que, durante mais de um ano, dominaram pelo terror a zona Centro, foram presos finalmente pela #Polícia Judiciária de Leiria (PJ). Foram perseguidos de carro pela polícia, e ainda dispararam contra os agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP). Esses mesmos indivíduos, em alturas anteriores, terão já insultado, ameaçado e deixado mesmo "avisos" aos agentes da PSP.

Ainda no seguimento da operação de buscas e detenção dos seis elementos do grupo, a PJ acabou também por localizar uma menor de 16 anos que se encontrava desaparecida da instituição de acolhimento que a tinha acolhido, desde Julho.

Publicidade
Publicidade

Tudo indica que a menor vivia com um dos detidos, mas aparentemente não existem referências à sua participação nos crimes. Foi, entretanto, já reencaminhada novamente para a instituição em questão, enquanto que os 6 elementos restantes foram detidos.

Utilizando um estilo semelhante ao usado pela máfia, extorquiam todo o dinheiro possível aos comerciantes do Entroncamento e de Torres Novas. Ameaçavam os comerciantes que seriam espancados e teriam as respectivas lojas destruídas se não pagassem serviços de segurança impostos por eles. Até mesmo alguns particulares (empresários abastados) foram obrigados a oferecer carros de luxo aos 6 indivíduos. Foram obrigados a passar carros, tal como um BMW e um Volkswagen Scirocco, para o nome dos elementos do grupo, para que eles e os próprios filhos não fossem igualmente vítimas deles.

Publicidade

Até mesmo os agentes da PSP que tentaram travar os crimes desse grupo foram desaconselhados e receberam, inclusive, ameaças de morte as suas mulheres e filhos. Ficaram avisados que, se tentassem intrometer-se nas actividades deles, seriam todos mortos. E para não deixarem dúvidas que as ameaças eram reais, revelaram que estavam muito bem informados, pois até sabiam quais as escolas que as crianças se encontravam a frequentar.

Vários são já os episódios apontados a este grupo organizado. Um dos quais foi mesmo uma invasão a uma esquadra da PSP, com o único objectivo de intimidar e ameaçar os polícias, para que assim ficassem com caminho livre para criarem e ditarem as suas próprias regras juntos aos comerciantes. Extorquiram milhares de euros, com o pretexto de segurança para os comerciantes, para que evitassem ser alvos de roubos, violência e destruição das lojas. Mesmo pagando, alguns comerciantes não se livraram de serem alvos desses crimes; foram agredidos e assaltados, ficando mesmo sem máquinas de tabaco e de café.

Publicidade

O individuo mais velho do grupo já tem um longo cadastro, com crimes de tentativa de homicídio, sequestro, roubo, extorsão, burla, passagem de moeda falsa, tráfico de droga e incêndio. Os restantes elementos do grupo também já possuíam antecedentes criminais de crimes violentos. Encontravam-se há meses a serem investigados pela PJ de Leiria que, em conjunto com o Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) de Santarém, estruturou todas as situações em questão num mesmo inquérito e avançou mesmo para a captura dos seis homens, responsáveis de crimes graves diversos. #Crime