Em Outubro de 2016, foi noticiado no jornal Correio da Manhã que a Câmara Municipal de Sintra tinha criado uma "app" denominada #sintra Resolve, que permitiria aos munícipes reportar problemas que encontrem no espaço público. Até aqui, parece que não há nenhum problema, mas existem alguns factos que podem pôr em dúvida a validade desta aplicação móvel.

Uma "app" de 150 mil euros

É de facto incrível que uma simples "app" de comunicação de problemas custe cerca de 150 mil euros num município que tem uma dívida total de 44,89 Milhões de euros. Porém, segundo o presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, a "app" é um "pequeno investimento para os benefícios que traz", disse o autarca em declarações ao Correio da Manhã.

Publicidade
Publicidade

O que realmente é ainda mais incrível é que após esta notícia do Correio da Manhã, a aplicação passou a ser publicitada no Correio da Manhã TV (CMTV), como se pode ver num vídeo da Saloia TV da autoria de Guilherme Leite.

Será que houve uma tentativa de silenciamento?

Bem, na verdade não se sabe, mas quase que se poderia dizer que sim, uma vez que não existiram mais noticias sobre esta aplicação móvel, apesar das várias reclamações. Estranho, não é?

E funciona mesmo?

A "app", em Outubro de 2016, tinha uma percentagem de 47% de casos resolvidos, ou seja, menos de metade, o que também é estranho, uma vez que a maioria dos casos são simples reparações de pavimentos em ruas.

E ainda existem os casos das pessoas que reclamam reparações, e no entanto o problema não se resolve. Foi o caso de um cidadão, Adriano Filipe, que fez uma reclamação através da "app" a relatar o caso de uma guarda metálica degradada, colocada numa ponte e que oferecia algum perigo- e estranhamente a resposta que lhe foi dada diz que a manutenção dessa guarda metálica não se enquadra no âmbito da Aplicação #sintra resolve.

Publicidade

As imagens desta queixa podem ser vistas no website António Filipe, ou na Saloia TV:

Também é importante que realçar que este ano Sintra vai a votos, nas eleições autárquicas. Será esta uma parte da campanha eleitoral?