A obra teve uma estimativa orçamental de 2,15 milhões de euros. Estes passadiços ligam o molhe norte do rio Mondego e Buarcos. Basicamente, o que foi feito foi uma ligação pedonal e de bicicleta (com cerca de 3,2 km de extensão) para a ligação dos dois locais referidos anteriormente. Também inclui a implementação de novos passadiços de madeira, zonas de descanso, bebedouros, chuveiros, bancos, apoios de bicicletas e duas pontes pedonais de acesso da marginal à praia. Também conta com a reabilitação dos sintéticos da praia e o skate park, intervenção nas duas valas (Galante e Buarcos), para além da plantação de algumas árvores ao longo do extenso areal e de uma pista de atletismo.

Publicidade
Publicidade

Isto foi o que foi feito e o seu objectivo. Agora vamos confirmar se tudo correu como foi, inicialmente, projectado.

Realmente é verdade. Estes passadiços aproximaram as pessoas da praia, no verão e inverno, pois este agora é um percurso quase obrigatório para quem faz caminhadas e é muito comum ver famílias inteiras a passear nesta zona, uma vez que as crianças podem brincar e correr sem o perigo das estradas.

É possível que, se os cafés da praia estivessem abertos ao longo do ano, pudessem eles também beneficiar deste incentivo. Com tanta gente por ali a passear, seria normal que precisassem de se hidratar. Com esta iniciativa, o extenso areal da praia da Figueira da Foz (com cerca de 700 metros na parte mais longa da praia) ganhou nova vida. Nota-se, com bom clima, as pessoas a passear na rua.

Publicidade

É sempre salutar ver estas iniciativas para combater o sedentarismo. Note-se também que a #Figueira da Foz possui um circuito de manutenção, com diversas máquinas de ginásio ao longo de toda a marginal, desde a Figueira da Foz até ao Cabo Mondego e nas abadias.

Mas nem tudo é bom. Existe uma coisa que talvez não tenha sido prevista antecipadamente: o lixo. Os locais muito frequentados revelam também mais sujidade. Os caixotes do lixo existentes parecem não chegar para a necessidade ou então será o civismo de cada um de nós inexistente. #Turismo #Ambiente