Foi na madrugada de ontem (19 de Março), cerca das 06.20 horas, que ocorreu um tiroteio entre dois supostos grupos rivais na Travessa de Teixeira Júnior, a poucos metros da porta da discoteca africana "Luanda" em Alcântara, Lisboa. Desse tiroteio resultaram duas vítimas mortais e dois feridos.

Publicidade

Os tiros foram ouvidos por aproximadamente 300 a 400 pessoas que nesse exacto momento se encontravam a sair da discoteca para rumarem às suas casas.

José Gouveia é o responsável pelo espaço de diversão nocturna e apercebeu-se do tiroteio através do sistema de videovigilância que estava ligado no seu escritório pelas 06.00 horas, altura em que estava a proceder ao fecho do estabelecimento.

Publicidade

Segundo informação avançada pelo DN na sua edição de hoje (20 de Março), o responsável da discoteca garante desconhecer se estaria ou não preparada uma espera aos jovens envolvidos nas proximidades do seu estabelecimento; referiu ainda ao mesmo jornal que não conhece os jovens envolvidos.

A segurança desse espaço nocturno é feita actualmente por segurança privada. O proprietário do “Luanda” referiu que já tinha existido um protocolo entre a #Polícia de Segurança Pública (PSP) e a associação de discotecas de Lisboa, que previa serviços remunerados da polícia à porta de diversos espaços de diversão nocturna, incluindo a discoteca em questão. Mas, entretanto, esse protocolo acabou por falhar, resultado de um incumprimento dos empresários, que deixaram de pagar os serviços à PSP.

É sabido que um segurança privado da discoteca “Luanda” age apenas no seu interior e não poderá agir no exterior. A PSP pode agir no exterior e certamente que a presença de um agente de autoridade seria sempre muito mais dissuasora..

Publicidade

O episódio que aconteceu na madrugada de ontem foi demasiado grave mas, mesmo assim, tudo indica que não será o suficiente para o clube nocturno vir a ter serviço remunerado da PSP.

Segundo Paulo Rodrigues, o presidente da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP), a polícia não possui condições para colocar agentes em todos os bares ou discotecas.

Mas somente quando chove é que se lembram de Santa Bárbara. E somente quando acontecem situações como a que aconteceu ontem é que todos se preocupam com a presença da PSP e em reforçar o policiamento. A esquadra do Calvário situa-se muito perto do clube nocturno em causa. #Crime