Uma situação com #agressões entre alguns elementos de uma mesma família aconteceu na tarde da última segunda-feira (24 de Julho), no bairro da Outurela/Carnaxide, em Oeiras. Pouco tempo depois, a #Polícia de Segurança Pública( #PSP) terá sido logo alertada. Essa força policial, logo depois de receber o pedido de ajuda, prontamente disponibilizou e enviou para o local uma patrulha para averiguar tudo o que estava a acontecer e para repor a ordem e dar por terminada a desordem.

Agentes da PSP recebidos com injúrias e agressões

Mas foi imediatamente após a chegada dos agentes de autoridade, que os mesmos foram injuriados e agredidos por um indivíduo do sexo masculino e com 26 anos de idade, tal como o Jornal de Notícias avançou na sua edição informativa de ontem (25 de Julho).

Publicidade
Publicidade

Logo após a agressão aos agentes da PSP, o alegado agressor foi prontamente detido.

A detenção do agressor

Porém, o indivíduo resistiu à a detenção. Enquanto o tentavam algemar, tentou fugir e utilizou mesmo manobras violentas, que incluíam mesmo a projecção dos agentes da autoridade e dele próprio contra uma parede. Mas mesmo após a violenta agressão aos polícias, o alegado agressor acabou por ser detido e finalmente transportado à esquadra. O detido aguarda agora a ida ao juiz para primeiro interrogatório judicial e ter conhecimento das medidas de coação a serem aplicadas.

Agressor fere dois polícias e a ele próprio

Das agressões resultaram dois agentes da PSP feridos, que tiveram mesmo necessidade de receber tratamento médico. O agressor que se feriu a ele próprio, acabou também por ser tratado no local.

Publicidade

Importa sublinhar aqui dois pontos:

  • que o agressor não se importou em colocar a sua própria segurança e a dos dois polícias em risco, ao atirar-se a ele e aos outros contra uma parede;
  • o facto de tudo ter ficado gravado em vídeo por um popular, não deixando margens para dúvidas das agressões que os agentes da PSP foram alvo.

Agora uma dúvida fica no ar: quantas “agressões” imputadas a polícias, dentro das esquadras, não poderão ser fabricadas? Pelo menos desta vez os polícias não serão acusados, com toda a certeza.

Mas agora as associações dos direitos do homem não se manifestam e nem sequer aparecem no terreno para defenderem estes dois seres humanos (polícias) violentamente atirados contra uma parede. Será que para essas associações, que tanto defendem os direitos humanos, os elementos das Forças de Segurança não são considerados humanos? Todavia, por baixo da farda que usam, estão seres humanos, como todos nós.