Todos os agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) são elementos constituintes das nossas Forças de Segurança, mas além disso, são ainda homens e mulheres capazes de darem a vida para nos defenderem e protegerem. São seres humanos com sentimentos, dúvidas, medos e receios como todos nós. Mas que, na maior parte das vezes, no exercício das suas funções, são obrigados a agir como se fossem feitos de aço, sem coração e sem emoções.

As missões dos agentes da PSP

Os agentes da PSP, além de terem como primordial missão defender e proteger pessoas e bens, mesmo que com o sacrifício da própria vida, também asseguram e promovem a segurança pública e até mesmo a nossa própria liberdade.

Publicidade
Publicidade

Todos eles, diariamente, enfrentam os mais diversificados crimes, desde os mais simples e banais, aos mais complexos e violentos.

São os agentes da PSP que, quando solicitados, se deslocam prontamente aos locais de ocorrências. Ocorrências essas em que eles podem encontrar os cenários mais imprevisíveis. Cenários violentos e macabros, como nos homicídios e suicídios, cenários perigosos e arriscados, como os tiroteios, cenários agressivos e ofensivos, como os de violência doméstica. Ocasionalmente, enfrentam ainda cenários para os quais estão pouco ou nada preparados para enfrentar, como os casos em que amigos e familiares são as vítimas, se relembrarmos o caso da agente da PSP do Porto que se suicidou, e foi o ex-marido dela que, ironicamente, foi destacado para essa ocorrência.

Agentes da esquadra de Alfragide acusados de violência e racismo

Os agentes da PSP são preparados, treinados e orientados para recorrer ao uso da força apenas quando as coisas não são resolvidas a bem e de forma pacífica.

Publicidade

Nos últimos dias, muito se tem falado, nos mais diversos órgãos de comunicação social, das acusações de que estão a ser alvo pelo Ministério Público, os 18 agentes da esquadra de Alfragide. Falam sobretudo da alegada violência policial dos agentes, mas do agente da PSP que acabou no hospital após a pedra arremessada à viatura policial que apenas patrulhava a rua não falam. Falam ainda da alegada violência policial no interior da esquadra, mas não destacam a tentativa de invasão da esquadra e a ameaça que isso significava para todos os agentes que lá se encontravam.

O que eles também não referem é que tudo isso poderia ter sido evitado, se a pedra não tivesse sido arremessada contra quem apenas trabalhava e cumpria o seu dever, e se a tentativa de invasão a esquadra não tivesse acontecido. Mas eles não evitaram e nem quiseram evitar, afinal, é bem mais fácil provocar um cenário em que possam mais tarde até imputar as culpas aos polícias. E, no final, são mesmo os agentes da esquadra de Alfragide que são os acusados de violência policial e de racismo.

Publicidade

Felisberto Silva, um agente da PSP de raça negra, baleado mortalmente na Damaia em 2002

Nas fileiras da PSP existem agentes de raça negra que são igualmente excelentes profissionais, bons colegas e grandes amigos. Portanto, onde existe então o racismo na PSP? Mas mais interessante ainda é relembramos que também um agente da PSP negro foi baleado mortalmente na Amadora. Conforme o Público noticiou a 6 de Fevereiro de 2002 , o agente Felisberto Silva foi baleado mortalmente no pleno exercício das suas funções, ao fim da tarde de uma segunda-feira, por dois homens numa rua da Damaia, Amadora. Mas nesse dia não apareceram as associações defensoras dos direitos humanos e nem outras similares, que viessem a público defender esse homem de raça negra assassinado de forma tão brutal. E sabem a razão dessa indiferença? Ele era apenas um polícia, um agente da PSP. Mas sabem quem apareceu? Apareceu uma família destroçada, apareceram amigos revoltados, apareceram colegas desfeitos em lágrimas e a pensar que amanhã poderão ser eles a tombar sem vida.

Agressores dos agentes da PSP continuam a ficar impunes

São vários os casos de agressões e ofensas diárias aos agentes da PSP no pleno exercício das suas funções e até mesmo quando estão de folga.Os agressores, no entanto, continuam a ficar impunes e livres, para que possam agredir mais polícias. Quantos mais elementos da PSP terão que serem agredidos ou mortos, para que algo seja feito? É urgente que esses agressores sejam, de uma vez por todas, punidos e castigados devidamente. #policias #sociedade #esquadradealfragide