Infelizmente, para os entendidos na matéria, o nosso país está a regredir, seja na economia como em outros aspectos.

O Zé Povinho deixou de ouvir falar nas palavras "Troika" e "FMI" e automaticamente assumiu que tinhamos saido do buraco negro em que os nossos representantes têm vindo a enterrar-nos. Todavia, não é bem assim. Sim é verdade que em termos politico-económicos temos vindo a progredir, porém em termos socio-economicos será que poderemos falar sobre tal?

Falaremos então no que se está a passar no setor da saúde, nomeadamente no hospitais de Lisboa.

O Hospital Pulido Valente, no Lumiar/Campo Grande, um dos melhores estabelecimentos hospitalares públicos de Lisboa, irá fechar num futuro próximo, abrindo futuramente como uma filiação da Santa Casa Da Mesericórdia.

Publicidade
Publicidade

Até ai tudo bem, tudo bonito e tal. MAS... (E claro está que no que se trata da privatização de setores públicos existem sempre "mas", incógnitos para os desentendidos)

Uns ficaram e farão parte do corpo docentente das novas instalações; outros ficarão desempregados e, aquilo que muitos temem, serão transferidos para o Hospital Central de Lisboa, o famoso Hospital Universitário de Santa Maria.

Muitos destes trabalhadores deram anos de vida em troca de "trocos", não puderam ver os filhos crescer devidamente porque o mais importante seria pôr comida na mesa. Mesmo cheios de problemas, conseguem sempre pôr um sorriso para o doente apavorado porque irá para uma cirurgia ao coração, para a familia que precisa de consolo e humanidade, coisa que, tenho que vos dizer- como opinião pessoal - é raro ver no Hospital de Santa Maria.

Publicidade

O que acontecerá com os doentes? Inquirem vocês.

Pois bem, isso é algo que ainda não ficou bem assente, porém o mais provável será a transferência para outros centros hospitalares.

O futuro do setor da saúde

A minha questão é, o que está a acontecer com um dos setores mais importantes para o desenvolvimento humano no nosso pais?

Todas as semanas o sindicato convoca manifestações para melhoria de condições. Vejo trabalhadores que não conhecem os seus direitos e deveres como tal, trabalhando para um serviço quase de proletariado, sendo explorados. Muitos choram, porque 550€ não chegam para as inúmeras despesas, taxas e impostos que o governo se lembra de pôr em prática. Matam-se a fazer horas extra, turnos descabidos, pagamento de horas, perdas de feriados e adiação de merecidas férias, para que no final de uma vida de trabalho e auxilio do próximo, sejam tratados com insignificância.

Em conclusão, nós, O POVO, de Norte a Sul do país temos que ajudar nas diversas lutas que os nossos companheiros travam todos os dias. Se tiverem conhecimento de algum movimento e se identifiquem com a causa tentem auxiliar, pratiquem ações, pois de barrigas cheias está o governo lotado. Querem mudar e criar um futuro melhor? Então mexam-se. Hoje são os funcionários da saúde, amanhã poderão ser vocês. #HospitalPulidoValente #Privatizaçãohospital #consequencias