24 horas depois de um agente da Polícia de Segurança Pública (PSP), da esquadra do Bairro Alto, ter sido barbaramente agredido no miradouro de Santa Catarina, em Lisboa, um outro polícia volta a ser agredido, desta feita no interior da esquadra onde trabalhava. Chama-se Carlos Meireles e é chefe da PSP na esquadra do Montijo, do Comando de Setúbal. Acabou agredido este sábado (11 Novembro), pelas 17h30, ao tentar defender uma mulher das agressões do próprio filho.

Alegadamente a mulher teria fugido de casa para pedir ajuda e terá entrado na esquadra para se proteger. Segundo informações já avançadas pelo Correio da Manhã na sua edição de sábado, o filho estaria a tentar prender a mãe e exigia que a mesma lhe desse dinheiro.

Publicidade
Publicidade

Entretanto, o agressor terá ido à esquadra ter com a mãe, e foi nessa altura que o agente da PSP interveio para proteger a mulher. Mas acabou por ser agredido com um murro na cara, que o deixou a sangrar.

Mais um episódio de violência contra os polícias. As agressões sucedem-se a um ritmo alucinante e cada vez mais violentas e graves. O risco e o perigo que os agentes de autoridade correm sempre que abordam um suspeito está presente e é bem real. Mas o perigo é o mesmo quando estão na rua ou mesmo dentro das próprias esquadras, e se estiverem sozinhos, ficam muito mais vulneráveis e não têm ninguém a quem pedir auxílio numa situação mais complexa e de perigo. O ideal seria mesmo estarem sempre acompanhados com dois ou mais colegas, para que pudessem contar uns com os outros no caso de ser necessário.

Publicidade

Ontem e hoje os polícias ficaram feridos. E amanhã? Poderão até mesmo perder a vida, pois com a #Violência com que são agredidos, este é um cenário que infelizmente pode tornar-se realidade.

Quantos mais polícias terão que ser agredidos, ou até mortos, para que decididamente algo seja feito? Até quando a impunidade dos agressores? Quando é que aqueles que agridem violentamente um agente da autoridade vão ficar em prisão preventiva em vez de irem para casa apenas com termo de identidade e residência?

É que enquanto as punições não forem a valer e a doer, os agressores continuarão a fazer o mesmo e com mais violência ainda, pois acabam por se sentir impunes e livres para fazerem o mesmo. Se agridem desta forma os polícias que são os representantes da lei e da ordem, agridem ainda muito mais facilmente qualquer cidadão que encontrem pela frente, e que não tem forma de se defender. #policias #sociedade