Em Albufeira, durante a madrugada do último domingo (26 de Novembro), numa acção de fiscalização realizada pela Guarda Nacional Republicana (GNR), mais um militar dessa força de #Segurança foi agredido. O agressor, de nacionalidade cabo-verdiana e com 23 anos, agrediu o militar da GNR de forma violenta com um murro e um pontapé, deixando-o com várias escoriações e hematomas. O militar necessitou receber tratamento hospitalar, pelo que foi transportado ao serviço de Urgência Básica de Albufeira. Relativamente ao homem cabo-verdiano, acabou por ser detido pelos militares da GNR pela resistência e coacção, conforme já avançou o Correio da Manhã na sua edição informativa desta segunda-feira (27 de Novembro).

Publicidade
Publicidade

A acção de fiscalização em questão teve lugar num estabelecimento de diversão noturna denominado "Choro-Bar". Como consequência dessa acção, o estabelecimento acabou mesmo por ser encerrado pelas autoridades, pelo facto de alegadamente não possuir licença da SPA (Sociedade Portuguesa de Autores). Foram também instaurados nove autos de contraordenação pelas infrações detectadas.

O Choro-Bar já há algum tempo que estava a ser vigiado pela GNR de Albufeira, visto que o estabelecimento em si e alguns dos seus clientes encontravam-se referenciados por desacatos e problemas relacionados com tráfico e consumo de estupefacientes. No interior do estabelecimento de diversão nocturna algarvio, as autoridades encontram ainda aproximadamente 64 doses de cocaína e 12 de liamba. A presença dos estupefacientes obviamente deu origem a mais uma contra-ordenação.

Publicidade

Entretanto, o agressor aguarda agora a ida à presença de um juiz para o primeiro interrogatório judicial e para tomar conhecimento da medida de coação que lhe vai ser aplicada.

E as agressões a elementos das Forças de Segurança continuam, neste caso foi mais um militar da GNR a ser agredido no exercício das suas funções. Até quando os agressores dos profissionais das forças de segurança vão continuar impunes? Até quando os agressores dos profissionais das forças de segurança vão continuar a ir para casa apenas com termo de identidade em vez de ficarem em prisão preventiva a aguardarem julgamento? Até quando os profissionais das forças de segurança vão aguentar esta injustiça?

Não é apenas a segurança dos profissionais das forças de segurança que está em risco, mas também a segurança de todos nós. #policias #Violência