As notas de ‘zero euros’ já chegaram a Portugal. Não servem como ‘moeda de troca’, destinam-se a turistas e coleccionadores, e ilustram imagens típicas de Portugal. O Castelo de S. Jorge foi a primeira impressão, para 10 mil notas, e pode comprar uma por 3 euros.Metade está já reservada para quem as colecciona. Devem seguir-se a imagem de Nossa Sra de Fátima , o Castelo de Guimarães, e a Madeira está já na perspectiva.

Mas parece que a promoção do nosso País não ficará por aí, assim hajam autorizações.

Seria interessante serem os próprios portugueses a sugerirem essas imagens, que podem abranger o Fado, a Torre de Belém, o Jardim Zoológico, uma figura marcante do nosso país...

Publicidade
Publicidade

Até um clube de futebol pode ter a sua notinha.

Esta ideia de 'souvenir' surgiu em 2015, em França, pela mão de Richard Faille. Mas a #Nota de zero euros foi trazida para o nosso país por Benjamin Bush, um apaixonado por filatelia e presidente executivo da Euro Souvenir Portugal. Com ele entrámos assim num grupo, ainda restrito, de nações da Europa que têm um pouco da sua História representada numa #nota, como a Alemanha, Suíça, Bélgica, França, Áustria e Países Baixos.

Estas notas são feitas tal qual as verdadeiras, com marcas de água, relevos, selo holográfico, numero de série, e até filamentos de segurança; e foram autorizadas pelo Banco Central Europeu. Os pontos de venda serão os locais que aparecem ilustrados. Ou seja, no caso do Castelo de S. Jorge, as notas estão à venda em máquinas colocadas neste local.

Publicidade

Assim, esqueça as comuns bugigangas, medalhas, galitos, pratinhos e azulejos pintados, bordados e outros texteis, até miniaturas de sardinhas ou de carros eléctricos amarelinhos; o mundo dos 'souvenirs' mudou completamente.

A nota de zero euros é o negócio em grande crescimento, considerado já a última moda entre as lembranças que os turistas preferem, e uma das eleitas dos coleccionadores também, dado que é uma ideia original e incrementa a identidade do ‘Velho Continente’.

O euro entrou em circulação a 1 de Janeiro de 2002, tornando-se um símbolo da integração europeia, e, embora já faça parte do dia a dia de 19 dos países da UE, ainda tem muitas opiniões que defendem a sua extinção. Enquanto tal não acontece, talvez esta ideia o torne mais ‘simpático’ aos olhos dessas pessoas.

E, se as autorizações chegarem, o objectivo desta empresa é chegar às 50 notas diferentes do nosso país.

Então... diga lá de sua justiça, o que gostaria de propor para uma nota de zero euros? #Castelo S Jorge