O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) emitiu um alerta para Portugal Continental que entrou em vigor hoje e permanecerá até ao dia 4 de Janeiro. No comunicado efetuado através do próprio site, o IPMA alerta para o facto de se prever a permanência de temperaturas muito baixas. O interior do país será o mais afetado, com temperaturas mínimas a atingir valores negativos e com provável formação de geada. As temperaturas máximas irão igualmente registar valores muito baixos.

Nos próximos dias prevê-se céu limpo ou pouco nublado e vento moderado a forte de nordeste, com rajadas que poderão atingir os 80 km/h. Em relação às temperaturas máximas, prevê-se que a Guarda seja a cidade mais fria, com uma temperatura a rondar os 3 graus centígrados, seguindo-se Vila Real com 5, Bragança com 6 e Viseu com 7.

Publicidade
Publicidade

Para Lisboa e Évora estão previstos 10 graus, para Coimbra 11 graus. Porto, Castelo Branco, Viana do Castelo, Sines, Beja e Castelo Branco poderão chegar aos 12 graus e em Faro e Leiria as temperaturas mais altas irão chegar aos 13 graus. Na Madeira, as máximas previstas são de 19 no Funchal e nos Açores prevê-se 18 graus para Ponta Delgada e Angra do Heroísmo, 16 para a Horta e 15 Santa Cruz das Flores. Também o arquipélago dos Açores, nomeadamente as ilhas do grupo central e do grupo oriental, estão colocados sob aviso amarelo, até às 15:00 de hoje, devido a possíveis períodos de chuva pontualmente forte.

Tendo em conta o frio esperado, principalmente no início e final do dia, é aconselhável a ingestão de bebidas quentes como chá, leite e sopas. Recomenda-se o uso de vestuário adequado à proteção contra o frio, sobretudo a utilização de cachecóis, gorros e luvas e a proteção da boca e nariz de forma a para impedir a entrada de ar gelado nos pulmões.

Publicidade

Outro conselho importante é a hidratação de todo o corpo, incluindo os pés, as mãos, os lábios e o rosto. De salientar a necessidade de especial atenção aos grupos considerados de maior vulnerabilidade: as crianças, os idosos, os sem-abrigo e doentes crónicos. Para os automobilistas e perante um cenário de gelo na estrada, sugere-se a adoção de uma condução defensiva.