O Governo vai remover a Administração da RTP, "em conformidade com a lei", depois dessa remoção ter sido pedida pelo Conselho Geral Independente (CGI), o órgão que tutela o canal. O presidente do CGI e vice-reitor da Universidade Nova de Lisboa Alerto Feijó comunicou que informou Alberto da Ponte desta decisão antes de entregar o pedido ao Governo. A resposta de Miguel Poiares Maduro não se fez esperar, indicando que vai acatar o pedido.



A novidade surge depois de, ontem, o CGI ter indicado uma quebra de confiança institucional com Alberto da Ponte. Em causa está a notícia de que a RTP terá comprado os direitos da transmissão televisiva da Liga dos Campeões de futebol à UEFA para o triénio 2015-2018, num valor próximo dos 18 milhões de euros. Embora a administração de Alberto da Ponte tenha indicado que os valores apresentados seriam muito inferiores, não se conheceram desenvolvimentos posteriores a essa situação.



Não existe ainda uma confirmação oficial de que a UEFA tenha atribuído ao canal público os direitos conforme a proposta apresentada, não existindo também qualquer desmentido do organismo do futebol nesse sentido. À hora de encerramento deste artigo, não existia também nenhum indicação sobre a nova equipa que irá liderar a RTP. Mas quem suceder a Alberto da Ponte poderá já não conseguir fazer recuar a negociação sobre a transmissão da Champions. De acordo com uma fonte ligada à estação pública, em declarações ao Obervador, o "contrato é vinculativo" e "está feito e assinado".



De forma surpreendente, o Bloco de Esquerda informou que vai solicitar uma audição na Assembleia da República de todos os intervenientes desta situação: Poiares Maduro, Alberto da Ponte e o CGI. O Bloco aponta que, de acordo com o Jornal de Notícias, uma vez que "não se percebe a destituição da Administração, dada a "lógica de concorrência com as televisões privadas" lançada por esta administração. O comunicado do Bloco de Esquerda não esclarece qual o fundamento ideológico deste pedido, nem o porquê do interesse de um partido de esquerda em o canal público possa concorrer livremente com os canais privados.



Nascido em 1952, Alberto da Ponte é licenciado em Ciências Económicas e Financeiras pelo ISEG (em 1975), tendo acrescentado em 1999 um curso de Finanças da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos. Desempenhou vários cargos de liderança empresarial na área do grande consumo e tornou-se mais conhecido enquanto presidente da Sociedade Central de Cervejas entre 2004 e 2012 - foi o presidente da cerveja Sagres, tendo contribuído de forma importante para a consolidação nacional da marca. Desde 2012 foi presidente da Administração da RTP.