Nove, de um total de doze, sindicatos que representam os trabalhadores TAP desconvocaram a greve agendada para o período entre 27 e 30 de dezembro deste ano. Ao que parece, Governo e sindicatos chegaram a um consenso no que respeita à constituição de um grupo que discutirá a privatização da transportadora aérea. Este acordo levou a que os sindicatos voltassem atrás nas intenções de paralisação entre o natal e a passagem de ano.

Os sindicatos que subscreveram o acordo foram: o dos Engenheiros, dos Contabilistas, dos Economistas, dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves, dos Pilotos de Aviação Civil, dos Técnicos de Handling de Aeroportos, dos Quadros da Aviação Comercial, Nacional de Engenheiros e, por fim, o das Indústrias Metalúrgicas, segundo informação fornecida pela agência lusa.

Publicidade
Publicidade

Ainda de acordo com informações da mesma agência, os Trabalhadores de Aviação Civil, o Pessoal de Voo da Aviação Civil e os Trabalhadores da Aviação e Aeroport foram os sindicatos que não assinaram o comunicado.

Este acordo surge num momento particularmente especial para a empresa, visto ter sido publicado um decreto-lei que legisla a reprivatização da TAP. Ao Governo, apenas lhe restou conformar-se com a resolução do Tribunal Arbitral no sentido de serem decretados serviços mínimos. A acrescentar que serão avaliadas questões relacionadas com o despedimento coletivo e layoff (redução temporária de horários) e a possibilidade de alargamento do prazo dos acordos da empresa. A empresa prevê que o prazo final para a formulação de consensos será em meados de Janeiro, por forma a incluir as decisões tomadas nas condições de venda da TAP.

Publicidade

Esta terça-feira, o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil, que tinha como intenção realizar os serviços mínimos decididos pelo tribunal, voltou atrás e subscreveu o acordo. No mesmo dia, tornou-se pública uma carta enviada por Fernando Pinto (presidente da TAP) aos trabalhadores. Nela constava uma ameaça de processo disciplinar, se estes ignorassem a requisição civil que fora aceite pelo Governo.